CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quarta-feira, 20 de abril de 2011

A SAGA DE CHICO CÉSAR CONTRA O FORRÓ DE PLÁSTICO I - TWITTADAS

A tradição musical
Nordestina brasileira
Precisa ser preservada,
Pois tem valor de primeira.
Chico César disse não
à cultura da besteira.

Muito lixo cultural
Tem invadido o país.
O governo da PB
Age de forma feliz
Quando dá prioridade
à cultura de raiz

A visão de Chico César
É algo muito legal.
Artista bom não apóia
Nenhum lixo cultural,
Porque lixo é uma ala
Que nos representa mal.

Um forró porcarizado
Vulgar, sem nenhum matiz
É lixo e bem diferente
Do arrasta-pé de raiz.
Dá-lhe Chico César Nele.
O bom-senso é o juiz.

Chico César é um dos grandes
Da cultura mundial
E isto confere a ele
Todo respeito e moral
Para bater de cacete
No esgoto cultural.

Chico César se coloca
Contra tanta porcaria
E esta postura dele
É motivo de alegria.
Devemos comemorar
Sua coragem e ousadia.

Quem defende a porcaria
Ficou muito indignado
Com o que Chico César disse
Num discurso acertado,
Porém um número imenso
De gente junto ao bom-senso
Permanece do seu lado.

Manoel Messias Belisario Neto (@cordelparaiba)

Imagem: territoriopotiguar.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário