CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Carta de ZéWalter Pires ao Poeta Manoel Monteiro

Fonte: BLOG “ROSARIO PINTO” rosarioecordel.blogspot.com

Carta do poeta José Walter Pires para o poeta Manoel Monteiro, homenageado no II Encontro de Poetas Populares e Rodas de Cantoria, um projeto de Fernando Assupção, realizado pela Academia Brasileira de Literatura de Cordel em parceria com o Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, em março de 2011.

MANOEL MONTEIRO – UM MITO
Carta ao Poeta Manoel Monteiro

Meu iluminado mestre
Sem fazer nenhum favor
Em tratá-lo desse jeito
Melhor seria Doutor
PhD, catedrático
Por ser poeta emblemático
De inestimável valor

Cuido agora em responder
Sua esperada missiva
Carregada de notícias
Que alentam a roda-viva
Desse tempo tão corrido
Mas sem mudar o sentido
Desta amizade cativa

De repente, os horizontes
Abrem-se a sua frente
Com as honras merecidas
Ao trovador consciente
Que sem temer as procelas,
Injustiças e mazelas
Conquistou-as, simplesmente

Que mais dizer ao poeta
Esse amante desvairado
Que dedilha a sua lira
Para cantar seu Estado
No colorido dos versos
De cordelistas diversos
Em um “cordel encantado”

“Cordelando a Paraíba”
Mas que tudo é Odisseia
E não um simples projeto
Que concretiza uma idéia
É uma heróica aventura
Nessa forma de cultura
Para encantar a platéia

São Ulisses mitológicoss
Pelos deuses protegidos
Como heróis nordestinos
Dessa forma concebidos
Pra enfrentarem a proeza
De cantar toda beleza
Dos recantos conhecidos

Duzentos e vinte e três
Municípios atuais
No Estado da Paraíba
Para compor os anais
Dos seus motivos históricos
Artes, letras e folclóricos
Em cordéis originais

Indo além desses limites
Com outras informações
Da culinária famosa
E suas ricas tradições
Dos seus aspectos políticos
Econômicos, turísticos
Nas diversas regiões

Assim, pretende Monteiro
Como Homero do nordeste
Navegante aventureiro
Pra construir seu destino
Em seu longo itinerário
Verdadeiro e não lendário
Por ser poeta de tino

Defensor intimorato
Do cordel na educação
Como ajuda ao professor
Para cumprir a missão
De uma forma mais lúdica
Na Escola privada ou Pública
Porque não há distinção

Um biógrafo de conceito
Dos seus vultos literários
Seus artistas populares
Nos diferentes cenários
São os temas que Monteiro
Sempre incluiu no roteiro
Em cordéis quase diários

Cordelista de bancada
De incansáveis produções
É uma voz respeitada
Nas várias situações
Por um moderno cordel
Mas que cumpra seu papel
Sem perder as tradições

No seio da ABLC
Em sua cadeira acadêmica
Faz discursos eloquentes
Sem lhe importar a polêmica
Entre os conservadoristas
Com os seus pontos de vistas
Que têm natureza endêmica

Assim é esse poeta,
Paladino, condoreiro,
Representante legítimo
Desse cordel brasileiro
Que da feira à Academia
Muda a fisionomia
Ganha status alvissareiro

Poderia ir mais longe
Nesta minha apologia
Falando desse menestrel
E da sua cidadania
Mas pra não ser redundante
No que falo a todo instante
Encerro minha cantoria

Com ele aprendi cantar
E cantando fiz poesia
Trocamos versos em cartas
Nos conhecemos um dia
À porta da residência
Registrada essa ocorrência
Em bela fotografia

Receba assim meu amigo
Meu abraço na distância
Mais que tudo fraternal
Desejando na constância
Saúde e felicidade
Inspiração à vontade
Pois mal não faz a abundância

Parabéns pela homenagem
Mês passado conferida
Como cordelista do ano
Dois mil e dez, merecida
Vem mais outras por aí
Por isso fico daqui
Na mais sincera torcida.

Um abraço,
José Walter Pires
Brumado, 06 abril 2011

Um comentário:

  1. Olá Belizário,
    Obrigada por divulgar esta carta-poética de ZéWalter ao nosso Mestre Manoel Monteiro. Aliás, fiquei sabendo que só se correspondem em versos: dará um livro e tanto, a união desses dois. Foram dias de muita alegria e aprendizagem os que passamos na compahia do Mestre. Além de grande poeta, é pessoa de extrema sensibilidade e afetividade: um docinho...
    Abraço,
    Rosário Pinto

    ResponderExcluir