CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sábado, 9 de abril de 2011

Marco Haurélio: um dedo de prosa sobre o cordel e o sertão

Por: Paula Ivony Laranjeira: pesponteando.blogspot.com

Numa prosa quase um causo, vamos conhecendo Marco Haurélio, um escritor do sertão baiano que na infância brincava de ser cordelista. E o que era brincadeira, tornou-se coisa séria. Hoje ele é referência no escrita e estudo em literatura popular. Morando atualmente em São Paulo não deixa de frisar que tem as raízes no sertão: "E eu agradeço a Deus todos os dias o ter nascido num pedaço do sertão-mundo de Guimarães Rosa." Convido os amigos para puxar uma cadeira, sentar e tomar parte neste causo...

PILS - Quem é Marco Haurélio?


MH: Essa eu posso responder em versos
O meu nome é Marco Haurélio,
Eu sou filho da Bahia.
Ser poeta popular
É minha grande alegria,
Pois vou tecendo universos
Em letras que parem versos,
Estrofes e poesia.

Sou poeta mais voltado para o universo da literatura de cordel, pesquisador da cultura popular brasileira e, neste momento, “estou” editor da Nova Alexandria, de São Paulo, onde coordeno a coleção Clássicos em Cordel.

PILS - A partir de sua experiência, como nasce o escritor?

MH: O leitor engendra o escritor. A minha experiência inicial foi com o cordel. Antes de saber ler, já o ouvia na bela voz de minha avó, Luzia Josefina, que sabia vários textos de cor. Havia uma gaveta de um armário, onde ela guardava os clássicos do cordel da editora Prelúdio/Luzeiro e de tipografias nordestinas. Eu pegava três títulos para ler no “olho” do umbuzeiro que tinha no quintal. Tinha, não. Tem. O que não tem mais é a casa. Também gostava de ouvir os contos tradicionais e os romances ibéricos, preservados por sua prodigiosa memória. Aos 9 anos li, numa versão adaptada, As Viagens de Gulliver, de Swift. Reli pelo menos umas dez vezes. Nessa época eu já criava algumas histórias em cordel, fixava no papel os contos tradicionais e desenhava uns quadrinhos toscos, depois vendidos a colegas de escola.

PILS - Você foi um garoto que aos sete anos já escrevia  história de cordel, O soldado traidor. Na adolescência enviou uma história para tentar publicação na editora Luzeiro, a qual foi recusada. Hoje o garoto nordestino que sonhava ser cordelista se tornou um fato, e diga-se, de sucesso. Então, persistência e dedicação são o diferencial?


MH: Com certeza. Eu não escolhi a literatura de cordel. Fui escolhido por ela. Mas, com o passar do tempo, mesmo sem me afastar totalmente, acabei dedicando meu tempo a outras searas do fazer artístico e da pesquisa. Isso foi importante, pois, além do cordel, escrevo artigos e ensaios em outras áreas, como História, Antropologia e Filosofia. Além de ter alicerçado meus estudos sobre o Folclore, dedicando especial atenção ao conto popular. Persistência e dedicação são, portanto, fundamentais.

PILS - Você é natural de Riacho de Santana, passou a maior parte da vida entre Igaporã e Serra do Ramalho, estudou o Ensino Superior em Caetité, todas cidades do sertão da Bahia. Como estas diferentes e ao mesmo tempo, mesmas realidades contribuíram para o seu trabalho literário?


MH: Nasci na Ponta da Serra, entre Igaporã e Riacho. Você sabe que, na nossa região, para todo lado que se olha, só se vê serra. A criança precisa imaginar o que tem além das serras. Em frente à casa em que nasci está a igreja construída por meu bisavô, o Major Ramiro. Aos cinco anos, meus pais se mudaram para Igaporã, onde estudei da primeira à quinta série. Nesse período, perdi os meus bisavós paternos e, em 1984, meus pais voltaram a morar na Ponta da Serra. Nesse período, eu já sabia o que queria fazer. Eu não sabia se “escritor” era ou não profissão, mas, louco que era, decidi que, um dia, viveria das letras. A realidade descrita por você, nesse caso, exerceu sobre mim uma grande influência. O ambiente, sabemos hoje, não determina, mas condiciona E eu agradeço a Deus todos os dias o ter nascido no num pedaço do sertão-mundo de Guimarães Rosa.

PILS - Ao percorrer sua bibliografia se percebe que você escreve de forma diversificada: cordel, contos, teoria; e para diferentes faixas etárias, mas sempre voltado para a literatura e cultura popular. Como nasceu seu interesse por essa vertente literária?


MH: Acho que duas pessoas têm grande “culpa” por eu ter trilhado esta senda. De uma eu já falei. É a minha avó, D. Luzia, a melhor professora que já tive. A outra é o folclorista, historiador e etnógrafo Luís da Câmara Cascudo, que, por quase cem anos, iluminou esse planeta. A obra monumental de Cascudo é a súmula da cultura nacional. Jamais haverá, no Brasil ou em qualquer outro país, pesquisador mais prolífero.

PILS – Sua ficha bibliográfica já é bem extensa. Apresente-nos alguns dos seus livros.
A Lenda do Saci-Pererê em cordel, adotado pelo SESI Mauá

MH:Gosto demais de minha produção de cordel em folhetos. O meu favorito é As Três folhas da Serpente, baseado num conto menos conhecido dos Irmãos Grimm, enriquecido com referências sutis a antigos ritos funerários e da fertilidade, estudados por Wallis Budge, James Frazer e Vladimir Propp. No campo da literatura infantil e juvenil, tenho vários títulos publicados e outros tantos no prelo. Todos têm por base o cordel ou a cultura popular. Contos Folclóricos Brasileiros e Contos e Fábulas do Nosso Folclore são minha principal contribuição, por enquanto, à cultura popular brasileira. O meu xodó agora é a antologia Meus Romances de Cordel, publicada pela Global, que reúne sete títulos, escritos em diferentes etapas de minha caminhada poética.

PILS - Em Contos Folclóricos Brasileiros você traz uma coletânea de contos populares coletados na região. São os típicos causos que escutamos dos avós, pais, amigos, etc. considerados, muitas vezes, como algo de menor valor. Mas você fez um estudo detalhado de comparação com outras versões existentes já classificadas no ATU, demonstrado que os contos orais que circulam por aqui tem raízes em outras culturas. Fale um pouco sobre esse trabalho.


MH: Boa parte dos contos reunidos neste livro foi ouvida na infância. Outros fazem parte de um trabalho mais recente, que inclui recolha, transcrição e estudo das variantes e versões. São, com as naturais modificações impostas pelo tempo ou pelo espaço, as mesmas histórias contemporâneas da Índia dos Vedas ou no Egito dos faraós. Alguns serviram de fonte para autores como Shakespeare, Boccaccio, Rabelais etc. Derivam, em alguns casos de mitos formadores. Em outros, explicam muito sobre os diferentes estágios civilizatórios. São, em suma, o retrato da alma coletiva.

PILS - Ano passado, além de Contos Folclóricos Brasileiros, você lançou o livro Breve Histórico da Literatura de Cordel. Como é trazer um livro de teoria sobre o cordel num país em que ele, supostamente, é visto como algo menor?


MH: Acho que ele existe mesmo por conta disso. Apesar de estar na base da formação cultural do Brasil, o cordel sempre foi visto como literatura menor, especialmente no meio acadêmico. O poeta de cordel, de certa forma, se acomodou e aceitou o papel que lhe era destinado. Aceitou, inclusive, o gueto da “poesia popular”, determinado por Patativa do Assaré no poema matuto “Cante lá que eu canto cá”. Mas, mesmo assim, há vozes dissonantes: autores que têm consciência do papel identitário da arte que professam, o que não significa submeter-se á camisa de força linguística ou ao confinamento geográfico.

PILS - Você usa a expressão “gueto da ‘poesia popular”, . Em Crítica sem juízo, Luiza Lobo traz uma citação de Miriam Alves na qual se refere à literatura de temática afro. Ela diz: “o que nós poetas negros vivemos hoje não é um gueto. Gueto é quando se é segregado pelos outros. Hoje nós vivemos o quilombo; a revolta que nós mesmos provocamos (...)”. Assim, cogito: Patativa não estaria se referindo a este espaço que Mirian chama de “quilombo”, ou seja, um lugar escolhido, no qual se busque a preservação da identidade e a própria sobrevivência?


MH: Acredito, no caso do Patativa, tratar-se de outra coisa. Quem o conheceu diz que ele sabia muito bem se autopromover. O que, convenhamos, é uma qualidade. Ele era realmente um poeta camponês. Mas era um poeta camponês que leu Os Lusíadas e sabia de cor vários poemas de Castro Alves. O problema é que pesquisadores desavisados, a partir da fixação de estereótipos, acredita que a preservação de determinadas manifestações tradicionais – e alguns equivocadamente incluem nesse rol o cordel – dependem do isolamento cultural e geográfico. Como, se Leandro Gomes de Barros, Silvino Pirauá de Lima, Francisco das Chagas Batista, para se fazerem conhecidos, tiveram de migrar do sertão paraibano, entre o fim do século XIX e o começo do século XX, para o Recife? E nem por isso deixaram de ser o que eram, pois acrescentaram novos saberes, fazendo com que dessa mistura – a cultura tradicional com a livresca – nascesse a literatura de cordel.

PILS - Agora você traz Meus Romances de Cordel. O que o leitor vai encontrar neste livro?

MH: Várias faces da chamada poesia popular. Desde o romance de encantamento, presente em História de Belisfronte, o Filho do Pescador e na História da Moura Torta, até o romance picaresco, base do Decameron de Boccaccio e de obras como o Lazzarilho de Tormes e o Mercador de Veneza, de Shakespeare. No meu livro, o pícaro é o protagonista de Presepadas de Chicó e Astúcias de João Grilo. Há, ainda, A Briga do Major Ramiro com o Diabo, em que recrio em versos uma lenda sertaneja envolvendo o meu bisavô, e Os Três Conselhos Sagrados, ambientado em Bom Jesus dos Meira, ou seja, em Brumado. Traz também o meu primeiro romance publicável, O Herói da Montanha Negra, escrito em 1987, que considero meu primeiro livro publicável. Por último, o poema Galopando o Cavalo Pensamento, composto em martelo agalopado (décimas de dez sílabas). A apresentação é da professora Vilma Mota Quintela, que conheci no Encontro Internacional de Literatura de Cordel, em João Pessoa (2005).

PILS – Marco, você poderia caracterizar a Literatura de Cordel e nos dizer como ela surgiu? Ela é reconhecida, de fato, como literatura?


MH:Na forma como a conhecemos (com predominância da sextilha setissílaba), ela nasceu na Paraíba, com os poetas Leandro Gomes de Barros e Silvino Pirauá de Lima, ainda no século XIX, consolidou-se como atividade editorial no Recife e na região do Brejo paraibano, e espalhou-se por outras regiões do Nordeste e Norte do Brasil, levado na matula do migrante. Estou me referindo ao cordel no formato consagrado pelos autores e pela predileção popular. Mas o seu substrato, composto por contos tradicionais, romances ibéricos, a gesta carolíngia e, no Brasil, a gesta do gado, tem raízes longínquas. O nosso cordel aproxima-se, em certo ponto, da poesia popular praticada em Portugal, Espanha, França, Itália e na América Espanhola. Mas apresenta uma temática mais abrangente e dialoga desde sempre com outros gêneros literários. Ganhou, assim, uma feição própria. Quanto ao reconhecimento, ele existe. A literatura de cordel é respeitada por alguns dos maiores nomes de nossas letras. Ao mesmo tempo, enfrenta o preconceito linguístico e social de alguns gramáticos e de pretensos poetas “eruditos”. O pesquisador paraibano Aderaldo Luciano, da UFRJ, foi questionado, quando postou um artigo de sua autoria sobre a coleção Clássicos em Cordel, no blog Poesia Hoje, por um desses pretensos poetas “eruditos sobre a “autenticidade” dos poetas “populares”. Ou seja, o cordelista precisará, a partir de agora, na opinião desse rapaz, de um atestado de “autenticidade”. Felizmente, atitudes preconceituosas partem de uma minoria.

PILS - Nas escolas, o ensino da literatura se pauta em obras clássicas, deixando de lado “tudo” que não faz parte do currículo. Na Bahia, por exemplo, não se estuda a literatura de cordel nas escolas, pelo menos não como deveria: como surgiu, as características, representantes, etc.O uso desta literatura se dá como um recurso didático ou tipologia textual que serve, muitas vezes, para falar/explicar alguns assuntos. Poderíamos chamá-la de literatura marginal. Como você pensa essa questão?


MH: Eu não chamaria o cordel de literatura marginal, mas penso que ele foi, durante muito tempo, “literatura marginalizada”. Marginalizada, pois era avaliada de acordo com a classe social que mais a consumia. Hoje, com sua difusão pelo Brasil, parte desse preconceito tem sido vencida. Para superar o preconceito, quase sempre motivado pelo medo e pala ignorância, a inclusão do cordel na sala de aula é fundamental. Eu passei cinco anos na UNEB, em Caetité, e só uma professora, Guilhermina, de Filologia Românica, abordou o assunto. Hoje, com o professor Rogério Soares além de outras iniciativas, há uma abertura, mas a realidade está longe do ideal. Aderaldo Luciano, por exemplo, advoga a inclusão do cordel no todo literário brasileiro.

Abaixo, reproduzo trecho de um estudo de Vilma Mota Quintela, que aclara muitos pontos a respeito desta “marginalização” e da tentativa de fossilização levada a cabo por alguns “estudiosos”:

“Compreender o cordel como um sistema cujas raízes se situam em práticas populares tradicionais, ou seja, não hegemônicas da sociedade, não implica, em absoluto, validar a noção ainda corrente do cordel como um produto de relações de produção cultural anacrônicas, isto é, deslocadas do contexto cultural global. Ao contrário disso, uma visada em perspectiva histórica permite observar que a existência do cordel como um sistema de produção “popular” sempre dependeu do diálogo dos seus produtores com seus diversos outros. Assim, ainda que não se confunda com o massivo, o cordel sempre agregou em seu discurso, em seu suporte e em seu sistema de divulgação mecanismos que lhe permitiram, ao longo dos anos, não apenas resistir, como também atender às injunções do mercado. Da mesma forma, embora se constitua com base na lógica da oralidade e, em princípio, tenha servido, efetivamente, a esse domínio, o cordel não deixa de refletir e mesmo de legitimar, de diversas maneiras, a preponderância política do discurso letrado.”

PILS - A Bahia é seu lugar de origem. Mas é São Paulo que acolhe e dá chances ao nordestino escritor, e mais precisamente, a um escritor de uma literatura tipicamente nordestina: o cordel. São Paulo e Rio de Janeiro ainda representam sozinhos o espaço para quem deseja crescer dentro da literatura? Como você vê a Bahia em termos de possibilidades para quem deseja viver da literatura?


MH: Essa é a pergunta mais difícil. Quando saí da Bahia a primeira vez, em 1997, pensava que, chegando a São Paulo, veria as portas das editoras escancaradas. A realidade mostrou-se em toda a sua crueza. Estive em muitas editoras, inclusive na Paulus, e não consegui “emplacar nenhuma proposta. De volta, mais maduro, em 2005, para trabalhar numa editora, a Luzeiro, especializada em cordéis, eu descobri que o problema não era das editoras. Era meu. Eu não sabia o que queria de fato. Hoje, já penso em incursões por outros campos, como o teatro e a prosa. Mas só o farei quando tiver certeza que estou pronto para dar esse salto. Em relação ao papel do Rio e de São Paulo como espaços de consolidação de carreiras artísticas, para além da literatura, penso que já foi maior. Hoje, temos iniciativas interessantes no Rio Grande do Sul, Minas e no Nordeste. Fortaleza é um exemplo. Na Bahia, lamentavelmente, falta uma editora que abarque parte da produção literária, em que pese o fato de termos alguns dos maiores nomes das letras nacionais.

PILS - A visão acerca do Nordeste é de uma região seca, sofrida e triste. Como você vê o nordeste? Ele é apenas uma região carente?


MH: O Nordeste é mais do que seca, peste, fome e coronelismo. É uma região culturalmente rica e economicamente viável.

PILS – Poderíamos pensar o Cordel como uma forma de expressão literária e cultural capaz de dizimar a visão de um Nordeste pobre, no que se refere à sua cultura?

MH:Com certeza. A região que deu ao país Graciliano Ramos, João Cabral de Melo Neto, Castro Alves, Manoel Bandeira, Leandro Gomes de Barros, Luiz Gonzaga, Mestre Vitalino, Delarme Monteiro, Gonçalves Dias, merece respeito. Aliás, todas as regiões do Brasil, que tingem a nossa cultura com as cores da diversidade, merecem respeito. O cordel pode, e deve, denunciar as mazelas sociais e políticas do Nordeste, mas também mostrar a riqueza e a pujança da cultura nordestina.

No folheto Os Três Conselhos Sagrados, narrando a visão de um migrante que retorna para sua terra, após trinta anos de ausência, escrevi:
Olhou o Rio do Antônio
E ergueu ao céu uma prece,
As águas iam levand
O bem que restabelece
As forças já combalidas
De quem de Deus não esquece.

PILS - O fato de ter origem no Nordeste, e mais precisamente nas camadas populares, explica a não difusão e valorização do cordel na sociedade?


MH: Até certo ponto, sim. Mas tenhamos em mente que os cordéis no Nordeste eram lidos desde a mais humilde choupana até as casas grandes. Mas, hoje, parte dessas barreiras foi, ou está sendo, superada. A coleção que coordeno, pela Editora Nova Alexandria, a Clássicos em Cordel, é adotada em várias escolas particulares de São Paulo e de outros estados, e seus títulos estão sempre presentes em seleções de programas governamentais. As grandes editoras, aos poucos, incluem o cordel em seus catálogos. Por falta de traquejo de alguns editores, tem saído muita coisa pavorosa, embrulhada e vendida como cordel. Mas também tem saído muita coisa boa.

PILS - Você é um dos fundadores de A caravana do cordel. Explique como surgiu essa ideia, e como funciona o projeto.

Ônibus-biblioteca, onde fez oficina

com o também cordelista Pedro Monteiro.

MH: O projeto surgiu das discussões que nós, cordelistas, fazíamos com o intuito de ampliar mais ainda os horizontes do cordel na Pauliceia. Os fundadores são, além de mim, João Gomes de Sá, Frei Varneci Nascimento, Costa Senna, Nando Poeta, Pedro Monteiro, Cacá Lopes. Depois vieram outros autores. A primeira apresentação aconteceu em Guarulhos, em 2008, num evento chamado Salão da Literatura de Cordel, coordenado pelo poeta João Gomes de Sá. A partir de julho de 2009, a Caravana passou a se apresentar no Espaço Cineclubista da Rua Augusta. A partir daí, com grande presença de público, seus membros se dividiram em muitas atividades, algumas delas realizadas em outros estados. Homenageamos poetas como Leandro Gomes de Barros, Antônio Teodoro dos Santos e Chagas Batista Se eu disser que, em alguns momentos, não houve atritos, estaria sendo hipócrita. Houve, sim, e isso contribuiu para o crescimento dos membros da Caravana. Aliás, eu sempre vi a Caravana, não apenas como um grupo de poetas, mas como um movimento. Mais do que isso, um conceito. Tanto que escrevi um texto sobre o movimento reproduzido no livro Acorda Cordel na Sala de Aula, organizado por Arievaldo Viana. E dediquei um espaço privilegiado no meu livro Breve História da literatura de Cordel. Existe até um trabalho acadêmico de Francisca Batista, enfocando o movimento. Por isso, creio que o saldo é altamente positivo.

PILS – Além do trabalho literário, as palestras e projetos, você ainda mantém o blog Cordel Atemporal, que não apenas divulga seu trabalho, mas tudo que se refere á Literatura de cordel e à cultura popular. Tem sido um espaço frutífero?


MH: O Cordel Atemporal é um espaço abrangente que vai além do meu trabalho. É uma ponte para outras manifestações culturais, como o cinema o teatro e as artes plásticas. Se eu reproduzo, num artigo sobre a presença de São Pedro na tradição popular, um quadro de Caravaggio, abro uma janela para o leitor conhecer ou reencontrar esse mestre do Barroco italiano. Apesar do tempo escasso, sempre o atualizo. O conteúdo do blog abrange resenhas, indicações de leituras, ensaios e informações do universo do cordel e da cultura popular. As estatísticas apontam que o Cordel Atemporal é lido em países como Portugal, Estados Unidos, Turquia e Holanda. Possivelmente por brasileiros que moram nestes países.

PILS - Pelo que você fala, e pelo que tenho lido e observado, o cordel tem ganhado muita força ultimamente. Sei que para isso há muita dedicação de cordelistas e pesquisadores em levar esta riqueza cultural aos mais variados espaços. Teremos em breve uma novela que de alguma forma abordará o mundo do cordel. Você acredita que esse espaço aberto na TV pode alavancar uma “redescoberta” do cordel? Podemos pensar a novela como algo positivo para uma nova safra de leitores e pesquisadores nessa área literária?


MH: Acho positivo. O resultado, não dá para adivinhar, mas, do ponto de vista de divulgação, será muito bom. Não espero que a novela Cordel Encantado leve ao grande público a riqueza temática do cordel, até porque, antes de se propor a divulgar esse ou aquele gênero, a novela deve narrar uma história dentro dos parâmetros estabelecidos por uma emissora, no caso, a Globo. Não sei se a novela em si despertará o interesse pela literatura de cordel, como afirmei acima. Se a produção fugir do estereótipo e do falso pitoresco, certamente será um sucesso. Acho que a presença do cordel na trama global será mais conceitual do que estética.

PILS - O Pesponteando e eu nos sentimos honrados em tê-lo conosco falando sobre literatura. Obrigada! A palavra agora é sua...


MH: Deixo minha saudação
Aqui no Pesponteando,
Mesmo a prosa já findando,
Foi grande a satisfação.
Porém nada foi em vão,
Pois falamos da Bahia,
Louvamos a poesia
E outras artes brasileiras;
Viva o cordel sem fronteiras –
Adeus e até outro dia!
Paula, agradeço o espaço e a oportunidade, feliz por fazer parte de seus retalhos literários.
Sobre o autor:

Marco Haurélio, poeta e folclorista, nasceu na localidade Ponta da Serra, município de Riacho de Santana, sertão da Bahia, aos 05 de julho de 1974. Desde muito cedo entrou em contato com a literatura de cordel, escrevendo a primeira estória com apenas seis anos de idade. Hoje, Marco Haurélio é uma das grandes referências nacionais da literatura popular, como poeta ou estudioso da mesma. Ministra palestras e realiza oficinas sobre cordel e cultura popular. Mantém  o blog Cordel Atemporal(clique aqui). Atualmente coordena a Coleção Clássicos em Cordel, da editora Nova Alexandria. Sua bibliografia é composta pelos seguintes títulos:

Publicados pela Editora Luzeiro
• Presepadas de Chicó e Astúcias de João Grilo
• Os Três Conselhos Sagrados
• História de Belisfronte, o Filho do Pescador
• O Herói da Montanha Negra
• A Idade do Diabo
• História da Moura Torta
• Nordeste – Terra de Bravos
• Serra do Ramalho – um Brasil que o Brasil Precisa Conhecer
• Romance do Príncipe do Reino do Limo Verde
• A Briga do Major Ramiro com o Diabo
• As Três Folhas da Serpente
• O Cordel – Seus Valores, Sua História (com João Gomes de Sá)
Publicados pela Tupynanquim
• Galopando o Cavalo Pensamento
• Traquinagens de João Grilo
• A Maldição das Sandálias do Pão-Duro Abu Kasem
• As Três Folhas da Serpente (segunda edição)
Publicado pela editora Queima-Bucha
• Cem Anos da Xilogravura na Literatura de Cordel (com Arievaldo Viana)
Publicado pela editora Olho Dágua
• Jesus Brasileiro (com Costa Senna)
Infantis e infantojuvenis
• O Príncipe que Via Defeito em Tudo (Ed. Acatu)
• A Lenda do Saci-Pererê em Cordel (Paulus)
• A Megera Domada (Ed. Nova Alexandria)
• Os Três Porquinhos em Cordel (Nova Alexandria)
• Lendas do Folclore Capixaba (Nova Alexandria)
• Traquinagens de João Grilo (segunda edição, Paulus)
• As Babuchas de Abu Kasem (Ed. Conhecimento)
• O Conde de Monte Cristo em Cordel (Nova Alexandria)
• A Roupa Nova do Rei ou O Encontro de João Grilo com Pedro Malazarte (Nova Alexandria, prelo)
Folclore e estudos da poesia popular
• Contos Folclóricos Brasileiros (Paulus)
• Contos de Fadas Brasileiros (inédito)
• Contos e Fábulas do Nosso Folclore (Nova Alexandria; prelo)
• Breve História da Literatura de Cordel (Claridade)
• Lá Detrás Daquela Serra (Cantos populares; inédito)
• Meus Romances de Cordel (antologia, Global Editora)

Um comentário:

  1. Manoel, é muito bom saber que a entrevista que fiz ao Marco, anda em lugares tão bonito como este.

    Abraços

    ResponderExcluir