CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sábado, 2 de abril de 2011

Literatura de cordel portuguesa em exposição no Recife até final de Abril

 

          Está patente ao público até ao próximo dia 30 de Abril, no Museu de Arte Popular (MAP) do Recife, a exposição “Teia de Cordéis”. A mostra é composta por cerca de 150 "cordéis" portugueses raros do início do século XVII até ao século XX, reunidos pelo colecionador Arnaldo Saraiva, professor da Universidade do Porto.

           Alguns "cordéis" brasileiros e espanhóis também integram a exposição, em paralelo com a literatura de cordel portuguesa. Os folhetos que fazem parte da mostra trazem romances, biografias de personagens históricos, operetas, manuais, autos, hinos, elegias, canções e sátiras.

Exposição “Teia de Cordéis”

Até 30 de abril – de segunda a sexta, das 9h às 17h

Museu de Arte Popular - Casa 49, Pátio de São Pedro, bairro de São José/Recife

Entrada gratuita

Mais informações: pelos telefones 3355-3110 e 3355-4720 ou no blog do museu

Fonte: Blog embaixada de Portugal no Brasil: embaixada-portugal-brasil.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário