CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Desde escritor renomado/A cordelista sem fama;/Do doutor ao não letrado./Verso, seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Ei, cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso seu folheto seja/Por algum deus desdenhado:/Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.***

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não pertence a coronel./É propriedade do povo:/Rico, pobre, velho, novo/Deliciam-se neste mel.

(Manoel Belizario)

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Presos são premiados em concurso de literatura de cordel em MT

Uma banca de professores foi formada para avaliar os trabalhos e três deles foram escolhidos como os melhores.


Por G1 MT

Trabalho de literatura de cordel. — Foto: Sejudh/Assessoria
Após aulas de literatura, artes e português, reeducandos de unidades prisionais feminina e masculina de Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá, apresentaram trabalhos em forma de literatura de cordel.

Uma banca de professores foi formada para avaliar os trabalhos e três deles foram escolhidos como os melhores. Os presos que ganharam em primeiro, segundo e terceiro lugar receberam medalhas e brindes.

Literatura de cordel — Foto: Sejudh/Assessoria

Literatura de cordel — Foto: Sejudh/Assessoria


Os assuntos relacionados ao concurso foram discutidos entre os meses de outubro e novembro de 2018 durante as aulas do ensino médio da Escola Estadual Nova Chance, dentro das duas unidades prisionais.

A professora Patrícia Andréia Blanco Lino, responsável pelo concurso, explica que antes de escreverem os cordéis os alunos aprenderam sobre a história da literatura de cordel por meio de textos, artigos e vídeos, estrutura de cordel e xilogravuras retratando a cultura nordestina, assim como conteúdos sobre alguns poetas do passado, entre eles, Leandro Gomes de Barros e João Martins de Athayde, e contemporâneos, como Bráulio Bessa e Tião Simpatia.

Na unidade feminina, as apresentações dos trabalhos ocorreram em forma de declamação, acompanhada por um fundo musical específico para cada texto. Na unidade masculina os trabalhos foram avaliados por uma banca formada pelos professores das turmas.

Fonte: https://g1.globo.com/mt/mato-grosso/noticia/2019/01/02/presos-sao-premiados-em-concurso-de-literatura-de-cordel-em-mt.ghtml

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Festa Literária acontece em Mãe D'Água, PB, a partir desta quarta

Flima acontece gratuitamente até sexta-feira (30).

Por G1 PB


Festa Literária irá homenagear o poeta Leandro Gomes de Barros, um dos mais importantes escritores de literatura de cordel do país — Foto: Reprodução/TV Globo
Festa Literária irá homenagear o poeta Leandro Gomes de Barros, um dos mais importantes escritores de literatura de cordel do país — Foto: Reprodução/TV Globo

A primeira edição da Festa Literária acontece na cidade de Mãe D’Água, no Sertão paraibano, a partir desta quarta-feira (28). A Flima será realizada na Escola Estadual Francisco Romano da Silveira, que bateu as metas do Índice de Desenvolvimento do Ensino Básico pela segunda vez consecutiva. A Festa acontece gratuitamente até sexta-feira (30).

O evento contará com palestras, apresentações musicais, oficinas de teatro, xilogravura e contação de história. Segundo o secretário de Estado da Cultura, Lau Siqueira, a Flima “é mais uma festa literária que nasce na Paraíba com o objetivo de estimular professores, alunos, comunidade escolar de um modo geral, escritores e artistas da região”, disse.

A Festa Literária irá homenagear o poeta Leandro Gomes de Barros, um dos mais importantes escritores de literatura de cordel do país.

Programação da 1ª Festa Literária de Mãe D'Água

Quarta-feira, 28/11

19h30 – Abertura: Palestra com o professor e poeta Antônio Mota Tema: Leandro: “O Rei da poesia do Sertão e do Brasil”
Apresentação Cultural com a dupla de cantadores repentistas “Os irmãos Pereira” e Concerto com o Programa de Inclusão através da Música e das Artes (PRIMA) - Polo Patos

Quinta-feira, 29/11

8h – Caminhada Literária pelas ruas da cidade
10h – Palestra com a Professora Ms. Shirley Monteiro Tema: Literatura: Fruição e engajamento
10h – Confabulando – Oficina de Contação de História, com Edna Soares
11h – Mediação e Leitura: “Qual o papel do professor?”, com Zuila Couto
14h – Palestra com o escritor Jairo Cezar Tema: Literatura e Infância: Estratégias e desafios para uma cidade leitora
14h – Oficina de Teatro com o ator e diretor Sebastião Formiga
15h – Confabulando – Oficina de Contação de História, com Edna Soares
19h – Apresentações Culturais:
- Apresentações dos trabalhos da Professora Vandecleide Cavalcante
- Apresentação das Escolas Municipais
- Banda de Flauta Doce “Melodia Sertaneja”
- Yure Cabral Voz e Violão
- Rafaela Ribeiro Voz e Violão e Júlio Percussão
- Espetáculo Teatral O Mágico de Oz nas terras do Sabugi. Alunos da Escola Santa Terezinha de São João do Sabugi–RN

Sexta-feira, 30/11

8h30 – Oficina de Teatro com o ator e diretor Sebastião Formiga
9h - Oficina de Aquarela, com o professor Milton Davi
10h - Oficina de Xilogravura – Rosana Leão
11h – Palestra com Moisés Alves Tema: Por uma educação para os novos tempos
Durante todos os dias da Flima - Visita a Sala da Exposição dos desenhos de Mônica Moraes
14h – Oficina: Leitura Expressiva do texto literário, com Ariano Ferreira, professor e mestre em Língua Portuguesa
15h – Palestra com a professora Verônica Melo Tema: literatura: Uma janela aberta para reflexões acerca do meio ambiente
16h – Oficina de Literatura de Cordel com Ramon Medeiros

Fonte: https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2018/11/28/festa-literaria-acontece-em-mae-dagua-pb-a-partir-desta-quarta.ghtml

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Alunos da rede municipal participam da formação continuada de Literatura de Cordel (João Pessoa)

Por Alexandre Quintans

A Secretaria de Educação e Cultura de João Pessoa (Sedec-JP), por meio da Diretoria de Gestão Curricular (DGC), irá realizar a partir desta segunda-feira (26) e nas próximas quarta-feira (28) e quinta-feira (29) a culminância da formação continuada das atividades artísticas do projeto ‘Cordel na sala de aula’. A abertura será na Escola Municipal Leonel Brizola, no bairro de Tambauzinho, a partir das 18h30.
Irão participar das apresentações 26 unidades da Rede Municipal de Ensino e oito creches. Durante o ano letivo, o projeto alcançou mais de 600 alunos, levando uma leitura dos folhetos de cordéis dentro de atividades interdisciplinares. As produções artísticas abrangeram alunos da Educação Infantil, Ensino Fundamental e a Educação de Jovens e Adultos (EJA).
Ao todo, 44 professores de Língua Portuguesa, Artes, Filosofia e Pedagógico participaram da formação com uma carga horária de 60 horas, divididas em cinco etapas: presencial; online; trabalho de campo; exposição de objetos cênicos; e apresentações artísticas. A formação foi acompanhada pela assessora pedagógica do projeto do Cordel, Sayonara Gomes.
Durante o ano de 2018, foram realizadas quatro ações: ‘Dia Internacional da Mulher’ no Pavilhão do Chá; ‘Primeira Parede Poética Integrativa’, no Centro Cultural Tenente Lucena, em Mangabeira; Atividade Integrativa realizada na Central de Comercialização da Agricultura Familiar (Cecaf) e Festival das Escolas e Creches da Rede Municipal, em parceria com a Divisão de Apoio ao Estudante (DAE), comemorando os 28 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
Programação:
Segunda-feira (26) – a partir das 18h30, a formação será aberta com a participação do músico Abraão Nóbrega, cantando forró pé de serra. Haverá também apresentação de cultural popular da ‘Lapinha de Jesus de Nazaré’, coordenado pelo mestre Maciel. Terá ainda uma aula sobre ciranda e exposição dos trabalhos feitos pelos alunos das Escolas Municipais Dr. João Santa Cruz de Oliveira, Duarte da Silveira, Luiz Vaz de Camões e Leonel Brizola.
Quarta-feira (28) e quinta-feira (29) – as atividades serão divididas em dois turnos e acontecerão na Estação das Artes, no bairro Altiplano. Pela manhã, será das 8h às 11h e, à tarde, das 13h30 às 16h30. Os alunos irão fazer declamações, dramatizações, apresentação teatral, musical e dança.
Fonte: http://www.joaopessoa.pb.gov.br/alunos-da-rede-municipal-participam-da-formacao-continuada-de-literatura-de-cordel/

Mostra Cultural do SESI Amapá vai abordar literatura de cordel por meio da dança e da música

Macapá – O Serviço Social da Indústria (SESI) Amapá vai realizar, no dia 1º de dezembro, no Teatro das Bacabeiras, a partir das 19h30, a Mostra Cultural Coreografia em Cordel. Este ano, o espetáculo conta com a participação 120 alunos, que estarão envolvidos em 15 apresentações de dança e de música. A expressão literária do cordel será o tema dos números artísticos.
O evento abordará uma manifestação da cultura popular introduzida no Brasil no fim do século XVIII. Muito conhecido no nordeste, o termo cordel é de herança portuguesa e tem como caraterística marcante, a oralidade. Sua principal função social é de informar, ao mesmo tempo em que diverte os leitores.
De acordo com a supervisora de Promoção da Saúde do SESI Amapá, Sandra Santos, a Mostra valoriza os ritmos e estilos, sendo uma opção de entretenimento cultural aos industriários e seus dependentes, e também para a comunidade em geral. “Realizada anualmente pelo SESI, a Mostra Cultural tem como função essencial a de estimular as práticas artísticas. Convidamos o público para vir prestigiar as apresentações que, certamente serão de encantar”, reforçou Sandra Santos.
A responsável pelas coreografias dos bailarinos é a professora Paula Lopes e dos números musicais, o professor Williams Sol Sol. Informações podem ser obtidas pelo número 3084-8932.
Serviço
25ª Mostra de Dança
Data: 1º de dezembro de 2018
Horário: às 19h30
Local: Teatro das Bacabeiras
Ingressos: R$ 12,00
Fonte: https://chicoterra.com/2018/11/27/mostra-cultural-do-sesi-amapa-vai-abordar-literatura-de-cordel-por-meio-da-danca-e-da-musica/

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Na Fundação Casa de José Américo: evento sobre cordel homenageia Leandro Gomes de Barros, João Pessoa


A Fundação Casa de José Américo promove uma vasta programação, dedicada ao Cordel, nesta sexta-feira (23), das 9h às 17h. O grande homenageado é o patrono número um da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, o paraibano Leandro Gomes de Barros, considerado um dos mais importantes poetas populares do Brasil, símbolo da Literatura de Cordel Brasileira. A programação terá atividades artísticas, palestras, lançamentos e mesa-redonda.

A abertura ocorrerá às 9h, com apresentação musical de Paulo Alcântara do Nascimento, seguida da saudação do presidente da Fundação Casa de José Américo aos participantes. O cordelista Nélson Barbosa de Araújo ministrará a palestra “Leandro Gomes de Barros – Pioneirismo e Genialidade”.

Na sequência, participação especial da Academia de Cordel do Vale do Paraíba, com apresentações culturais. Logo após, a professora Socorro Aragão abordará o tema “O cultural e o social na literatura de cordel”. As atividades da manhã encerram com o lançamento do Selo Personalizado Leandro Gomes de Barros, com o Cerimonial da Superintendência dos Correios na Paraíba e a apresentação do autor do desenho artístico do selo, o artista plástico Flávio Tavares.

A programação da tarde inicia às 14h, com participação especial da Academia de Cordel do Vale do Paraíba e apresentações culturais. A seguir, a mesa-redonda “O cordel em debate”, mediada por Marco Di Aurélio, com abordagem dos seguintes temas: “O cordel no contexto educacional” (Maria de Fátima Barbosa), “A importância da literatura de cordel para a Folkcomunicação” (Osvaldo Meira Trigueiro), “A Literatura de Cordel Patrimônio Cultural do Brasil” (Emanoel de Oliveira) e “O Cordel e a Literatura Brasileira (Aderaldo Luciano), tudo isso seguido de debates.

Haverá ainda o lançamento do livro “Gilberto Freyre e José Lins do Rego: diálogos do senhor da casa-grande com o menino de engenho”, da autoria de Cauby Dantas. O evento será encerrado com um Sarau Poético.
Leandro Gomes de Barros, paraibano de Pombal, nasceu dia 19 de novembro de 1865 e faleceu no Recife, no dia 4 de março de 1918.

Secom-PB

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.

Fonte: http://www.paraiba.com.br/2018/11/19/47830-na-fundacao-casa-de-jose-americo-evento-sobre-cordel-homenageia-leandro-gomes-de-barros

sábado, 17 de novembro de 2018

Cordel na cena da Rede Municipal, RJ

Por Márcia Pimentel


Cordel Mulheres1 interna
Cena do espetáculo encenado por professoras da Rede. Divulgação
O cordel foi reconhecido como patrimônio cultural imaterial brasileiro em setembro deste ano, mas antes disso, o gênero literário já estava em alta na Rede Pública de Ensino da cidade do Rio de Janeiro. Desde meados de 2017, um grupo de 10 professoras vem encenando o espetáculo teatralMulheres no Cordel e cerca de outras 35 têm participado do projeto Versos de Cordel na Cena Carioca, realizado pela Gerência de Leitura e Audiovisual (GLA) da Secretaria Municipal de Educação.

As oficinas do projeto são ministradas pela atriz e arte-educadora Beth Araújo e pela cordelista Rosário Pinto, que ensina a estrutura, a métrica e as rimas do gênero. Escrever uma história de cordel pode ser tarefa fácil para quem, como ela, cresceu ouvindo suas narrativas. Mas para a maioria das professoras participantes, que não foram criadas dentro desta tradição oral, conceber poesias em forma de sextilhas* ou setilhas** (ou ainda outros tipos de estrofes características) é um grande e laborioso aprendizado.
O objetivo do projeto, contudo, não é formar virtuoses nesse gênero de literatura e sim fornecer às professoras ferramentas que estimulem os alunos a conhecer o cordel, valorizando-o como tradição cultural e possível meio de expressão e inspiração. Como se trata de poesia com forte viés oral, Beth Araújo capricha nas oficinas de expressão cênica – da interpretação à confecção dos cenários, figurinos e adereços –, sem esquecer da perspectiva escrita. Além das técnicas de composição literária aprendidas com Rosário Pinto, as participantes colocam a mão na massa para fazer seus folhetos, incluindo capa e gravura características.

Cordel PoesiaEncena Interna
Atividade do projeto Poesia Encena, promovido pela SME. Divulgação
Tanto as oficinas Versos de Cordel na Cena Carioca como a peça Mulheres no Cordel são desdobramentos do projeto Poesia Encena, iniciado em 2013, com o objetivo de levar aos professores da Rede uma compreensão mais ampla dos diversos processos poéticos e dar suporte a um outro projeto mais amplo: o Poesia na Escola. Desde então, o empreendimento vem acontecendo todos os anos sob a batuta da atriz e arte-educadora Beth Araújo.

Segundo ela, Poesia Encena trabalha com uma metodologia que inclui três etapas: uma pequena parte teórica acerca do movimento artístico do qual o poema faz parte; uma reflexão de como ele pode ser adaptado para a escola; e, finalmente, uma prática sobre as análises feitas. “Buscamos dar ao professor instrumentos para que ele brinque de poesia com os alunos, usando os elementos do teatro”, explica.
Gerando frutos
Cordel Mulheres2 interna
Mulheres no Cordel. Divulgação
Na edição de 2016, o projeto ganhou desdobramento: a criação da Cia. de Teatro Poesia Encena, que produziu seu primeiro espetáculo: Colar de Cora, Colares de Coralina. No ano seguinte, aconteceu a montagem de Mulheres no Cordel, utilizando recursos multimídia e narrando a história de autoras do gênero literário, a começar pela primeira delas: Maria José das Neves Pimentel, que, em 1936, publicou O Violino do Diabo ou o Valor da Honestidade com o pseudônimo Altino Alagoano (seu marido).

“O espetáculo é impactante. Tem projeção de slides, música ao vivo... Muita gente sai sem acreditar que ele tenha sido feito só por professoras”, conta Clarice Campos, professora de Língua Portuguesa e da Sala de Leitura da E.M. Eunice Weaver (7ª CRE). “O processo de criação do espetáculo foi muito interessante. A Rosário Pinto nos ajudou, entrando em contato com um grupo forte de cordelistas do Crato e do Juazeiro do Norte, no Ceará. Eles nos enviaram várias informações fundamentais à criação do texto”, relata Beth Araújo.

Quando a equipe da SME tomou conhecimento da peça e de sua cuidadosa produção, convocou Beth para a realização de oficinas específicas, só do gênero literário, para os professores da Rede. “Isso tudo aconteceu bem antes do cordel ser proclamado patrimônio imaterial brasileiro”, diz ela, feliz pela coincidência.
Cordel Versos Interna
Oficina Versos de Cordel na Cena Carioca. Divulgação
E assim nasceu o projeto Versos de Cordel na Cena Carioca, cuja culminância acontece neste mês de novembro, no Ciep Tancredo Neves (2ª CRE), no Catete, onde os participantes estão apresentando o resultado de suas criações.
----------

* Sextilha - É a estrofe mais comum no cordel, formada por seis versos de sete sílabas poéticas, com o segundo, o quarto e o sexto rimados.
** Setilha ou septilha - A estrofe possui sete versos: o segundo, o quarto e o sétimo verso rimam entre si; o quinto e sexto formam uma segunda rima. 



Fonte: http://multirio.rj.gov.br/index.php/leia/reportagens-artigos/reportagens/14598-cordel-na-cena-da-rede-municipal

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Literatura de cordel tem espaço especial na Feira do Livro, Porto Alegre

Cordelteca e exposição podem ser visitadas até o dia 18 de novembro


Literatura de cordel tem espaço especial na Feira do Livro Crédito: Pedro Heinrich / Divulgação / CP

Literatura de cordel tem espaço especial na Feira do Livro Crédito: Pedro Heinrich / Divulgação / CP

Correio do Povo
Quem visitar a 64ª Feira do Livro de Porto Alegre poderá entrar em contato com a literatura de cordel, reconhecida como patrimônio cultural imaterial do Brasil. Uma cordelteca e uma exposição ficarão abrigadas até o dia 18 de novembro na Biblioteca Moacyr Scliar (andar térreo do Memorial do Rio Grande do Sul). A exposição aborda a trajetória do autor paraibano Leandro Gomes de Barros. A mostra foi organizada em 2015 pelo Museu de Arte Popular da Paraíba, de Campina Grande, sob a curadoria de Joseilda de Souza Diniz, entre as comemorações do sesquicentenário de nascimento do pioneiro autor. Já o projeto itinerante Cordelteca Leandro Gomes de Barros participa do evento com dezenas de exemplares de mais de 50 autores. As obras foram trazidas diariamente da Paraíba, o berço do cordel.

Fonte: https://noticias.r7.com/cidades/correio-do-povo/literatura-de-cordel-tem-espaco-especial-na-feira-do-livro-05112018

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Evento em homenagem ao cordel movimenta Natal a partir desta quinta


Terceira edição do Círculo Natalense do Cordel acontece nos dias 15, 16 e 17 de novembro
novembro 13, 2018 às 18:24 - Por: Redação OP9
Evento gratuito acontece a partir de quinta-feira na Praça Padre João Maria, Cidade Alta. Foto: Agência Brasil/Divulgação
Evento gratuito acontece a partir de quinta-feira na Praça Padre João Maria, Cidade Alta. Foto: Agência Brasil/Divulgação

Promover o cordel enquanto gênero literário, incentivar a produção e difundir a riqueza da cultura popular. Esses são objetivos da terceira edição do Círculo Natalense do Cordel, que acontece nos dias 15, 16 e 17 de novembro, na Praça Padre João Maria, no centro de Natal. A iniciativa é uma realização da Associação Cultural Estação do Cordel, em parceria com a Academia Norte Rio-Grandense de Literatura de Cordel (ANLIC) e a Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do RN (SPVA). O evento é gratuito e aberto a toda a população.
O evento busca explorar a dimensão pedagógica da literatura, sobretudo no contexto educacional, no qual o cordel atua como ferramenta auxiliar no processo de ensino-aprendizagem. “Entendemos que uma das potencialidades do cordel, senão a maior, é a pedagógica, que contribui com o processo formativo do cidadão, no qual os professores são agentes indispensáveis na mediação do saber”, destaca Nando Poeta, professor, cordelista e um dos idealizadores do Círculo Natalense do Cordel.
Na programação dos três dias do Círculo Natalense do Cordel, serão realizadas palestras, oficinas, exposições, feira de livros e apresentações literárias e musicais. A ação é também uma homenagem ao Dia Nacional do Cordelista, celebrado em 19 de novembro, e vai reunir estudiosos, escritores e amantes do gênero cordel, tanto locais quanto nacionais. A iniciativa pretende aproximar ainda mais a população do Rio Grande do Norte da cultura cordelista, viabilizando o intercâmbio de saberes, do popular ao erudito, do informal ao formal.
Fonte: https://www.op9.com.br/rn/pop9/evento-em-homenagem-ao-cordel-movimenta-natal-a-partir-de-quinta-feira/

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Estudantes criam obras de Literatura de Cordel, Ipanema, RJ

destaque site

Reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em agosto, como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro, a Literatura de Cordel inspirou uma Atividade Diversificada, proposta pela docente de Língua Portuguesa, Luciana Araújo, aos estudantes do 7º Ano do Ensino Fundamental do Colégio Notre Dame Ipanema.
ZLE_8514
Com caráter interdisciplinar, ela desafiou-os a produzir o seu próprio cordel, respeitando as características do gênero. Cada educando, então, escolheu um tema já abordado nas aulas de Geografia, como migração, seca, fome e pobreza, para elaborar o seu poema. Além disso, confeccionaram as capas para as obras, utilizando a técnica que, tradicionalmente, ilustra tais livretos: a xilografia. Para isso, reutilizaram embalagens de isopor.

Seguindo a tradição, após prontas, elas foram penduradas em um varal literário, disponibilizado na passarela que conduz à piscina, para que fossem prestigiadas pela comunidade escolar.
A Literatura de Cordel:
Inserida na cultura brasileira no final do século XIX, é um tipo de poema popular, resultante da conexão entre as tradições orais e escritas, presentes na formação social brasileira.
Sua denominação é de origem portuguesa, pois, o país europeu cultivava a tradição de pendurar folhetos em barbantes.

Fonte: http://ipanema.notredame.org.br/estudantes-criam-obras-de-literatura-de-cordel/

domingo, 28 de outubro de 2018

Cordel se adapta à tecnologia e tem até desafio repentista por WhatsApp, diz pesquisadora francesa