CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Lançamento do mais novo Cordel de Roniere Leite Soares

Fonte: blog: familialeite-pb.blogspot.com

Os Versos do Vaquiro Antônio Bernardino versus o boi Cambaú do Sítio São Joãozinho.

Convite:

Lançamento do oitavo cordel: 28/04/2011(quinta-feira), na Escola Técnica Redentorista (ETER), Campina Grande-PB, às 16h:00. O folheto se trata de uma estória criada a partir de duas histórias do Município de Boa Vista: a saga do boi Cambaú e a vida do vaqueiro Antônio Bernardino do Nascimento, avô materno do poeta Roniere. A data impressa na capa do cordel remete ao dia da independência política da cidade boavistense, 29 de abril, trazendo a noção de vitória a ser conquistada no ato da prisão do Boi Cambaú, dominado pelo vaqueiro Antônio Bernardino, nesta mesma data.

Nenhum comentário:

Postar um comentário