CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

terça-feira, 15 de março de 2011

Manoel Monteiro reverenciado

         Sábado que vem, o poeta e cordelista Manoel Monteiro irá receber, no Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP), no Rio de Janeiro, uma homenagem da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC) por ter sido eleito o ‘Cordelista do Ano de 2010’. A homenagem faz parte do 2º Encontro de Poetas Populares e Rodas de Cantoria, que acontece esta semana, entre quinta-feira e sábado, no auditório do Museu de Folclore Edison Carneiro, na rua do Catete, no Rio. Os dois primeiros dias serão para encontros literários, com entrada gratuita, onde estarão acontecendo oficinas, mesas-redondas e rodas de cantoria. Sobre a homenagem, Manoel Monteiro diz ter recebido a notícia sem vaidades. “Isso não me deixa vaidoso, não me faz pensar que sou gente, acredito que esta homenagem veio devido à realização do cordel atual que venho discutindo, produzindo, e que eu chamo de ‘Novo Cordel’”, disse. Manoel Monteiro participa também, no dia 17, do Encontro Literatura de Cordel: o Tempo é Hoje, onde vai falar sobre o tema ‘Como a literatura de cordel evoluiu e permanece viva como gênero literário e fragmento da cultura popular, transitando entre o simbólico e a resignificação dos códigos’, juntamente com o presidente da ABLC, Gonçalo Ferreira da Silva, e Maria Rosário Pinto. Contemplado pela Secretaria de Estado de Cultura do governo do Estado do Rio de Janeiro, o projeto ‘Encontro com Poetas Populares e Rodas de Cantoria’ busca difundir o cordel, levando à reflexão, ao debate, discutindo características, temas e abordagens; resgatando e apresentando ao público algumas de suas obras mais notórias, além de fomentar a produção e a formação de novos leitores e poetas. O projeto busca, ainda, resgatar e disseminar a produção intelectual de seus poetas e o seu histórico na literatura nacional. Além disso, mostra a contribuição de autores e estudiosos para a consolidação desse gênero literário. Conduzidos por poetas e cantadores convidados, dentre nomes importantes do universo da literatura de cordel, e que têm atuação constante na ABLC. Estes encontros organizados no formato de aulas-espetáculo, contarão com a participação especial do poeta Manoel Monteiro, de Campina Grande, PB e o presidente da ABLC, Gonçalo Ferreira da Silva. NOVO CORDEL O ‘Novo Cordel’ é descrito pelo poeta como “o cordel do século 21, que está sendo utilizado, com eficiência, pelos professores nas salas de aula”. Para Manoel Monteiro, o cordel, no momento, está em uma evidência muito maior do que nos seus ditos tempos áureos e pioneiros. Para ele, o cordel modernizou-se. “Não é mais aquele cordel da boneca de pano, do cachimbo, do bejú. Continua o cordel da literatura popular, mas com a linguagem atualizada”, explicou. O cordelista lembra que seu primeiro cordel foi publicado em Campina Grande, em 1953. Segundo ele, o trabalho de divulgação já vinha sendo realizado há uns dois ou três anos, nas feiras da cidade. “Saí de casa para alçar voo dessa forma, as minhas asas para levantar voo do ninho paterno foram os folhetos de cordel. E tão bem coladas foram estas asas, que ainda hoje eu continuo voando e tenho certeza que estou no caminho certo, caso contrário não estaria sendo lembrado para esse prêmio”, comenta. Manoel Monteiro diz-se contra a ‘linguagem matuta’ utilizada por muitos no cordel, porque ela descreve um povo que está precisando melhorar sua cultura. “Se quiser ensinar alguém, não mostre o certo e o errado, diga apenas a informação certa, porque ela nunca terá no escaninho da memória outra informação a não ser a correta, por isso o cordel não pode ter uma linguagem que não deve mais ser usada”, disse. O poeta alega que ainda existe hoje muitos poetas populares que usam a linguagem matuta e se dão bem, inclusive financeiramente. “Estas pessoas podem até ser mais espertas do que eu, porque continuam explorando algo que lhes dá retorno financeiro, mas eu não quero que permaneçamos Jeca Tatus, esse não é mais o homem nordestino, o ‘meu’ nordestino só pronuncia e escreve uma palavra errada quando não foi ensinado a fazer a forma correta”, esclarece. Segundo Manoel Monteiro, o cordel não deve ficar estagnado só por estar em evidência. “Se o cordel de ontem era consumido (ou absorvido) basicamente por gente simples e de pouca cultura, um público da periferia, das fazendas, das cidades pequenas do interior, dos mercados, das feiras livres, hoje o cordel é consumido também nas escolas brasileiras; é valorizado nas instituições escolares de todos os graus, inclusive sendo enfocado por mestres e doutores nas suas teses acadêmicas”. (Continua na página 3)

Fonte: www.exkola.com.br

Imagem: olharcomunitario.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário