CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Projeto Cultura Popular

 

2343_relato2_gde.jpg

          Por Jane Cleide Cardozo

          Amigo educador,
          É com grande satisfação que recordo um projeto que realizei no período letivo de 2007, me chamo Jane Cleide Cardozo, leciono a disciplina de Língua Portuguesa na Escola Municipal de Ensino Fundamental “Luís Ribeiro Coutinho”, no município de Juarez Távora, estado da Paraíba.
          Gosto de trabalhar com a emoção, como se o coração fosse o mestre nas metas que pretendo alcançar, e para usar a emoção nada melhor do que valorizar nossa cultura popular, pois como o nome faz jus, vem do povo e nosso povo se expressa com a alma. É na Literatura de Cordel que nossos poetas se expressam de maneira simples, mas com sabedoria de quem vai atingir o leitor através da beleza de suas rimas, encantando a todos com sua diversidade temática.
           Vamos embarcar nessa viagem pelo mundo dos folhetos de cordel, onde comecei contextualizando historicamente para todas as turmas, depois fiz uma breve leitura de alguns versos e isso foi chamando a atenção dos alunos, onde eles começaram a apreciar as aventuras e rimas presentes em cada estrofe, essa reação pra mim foi um estímulo e me fortaleceu, lancei uma proposta para eles, a qual seria comprar um folheto de cordel com temas variados, entre eles: religiosos, políticos, românticos, policiais, natureza, enfim, conseguimos uma coleção de 100 cordéis. Cada aluno começou a ler e se empolgar com a leitura do cordel, é maravilhoso lembrar que atingimos não só o interesse dos alunos, como também, a família. Foi com grande alegria que uma aluna chegou pra mim e pediu que eu comprasse outros folhetos, pois a sua mãe gostaria de ler e recordar alguns temas que marcaram sua época, isso é muito bom, a leitura abrindo caminhos e despertando o interesse das pessoas pela cultura. Passamos o 1º Bimestre lendo os folhetos de cordel e trabalhando desde os diversos temas que os folhetos abordavam até a gramática contextualizada.
          Ainda faltava alguma coisa, então pensei que deveria dar continuidade ao trabalho realizado no 1º Bimestre, a idéia surgiu com o tema do “Aniversário da cidade”, ou seja, a emancipação política de Juarez Távora, começamos com a leitura e estudo do Hino Municipal. Agora começava a produção de nosso folheto de cordel, tendo como base o que já foi lido nos cordéis e trabalhado no hino municipal, conseguimos embasamento teórico para começar nosso projeto, que seria produzir um folheto de cordel abordando a história do município. Foram 04 turmas envolvidas: 6º C / 6ºD / 7ºB / 8ºB, todos os alunos criaram seus versos formando lindas estrofes, logo após, chegou a hora de selecionar as estrofes que iriam fazer parte do folheto, essa etapa foi a mais difícil, pois os alunos produziram lindas estrofes e não dava  para expor todas no folheto, depois da edição das estrofes faltava a capa do folheto, pedi para os alunos desenhar uma vista panorâmica da cidade e foi muito divertido, surgiram várias idéias e uma foi escolhida. Levamos para a gráfica e depois do folheto impresso ficou uma maravilha..., terminamos o 2º Bimestre.
          E agora o que fazer no 3º Bimestre? Surgiu então o desfile cívico em nosso município, e a nossa escola iria participar, eis então outra oportunidade de aproveitar a leitura de nossos folhetos de cordel e lembramos de um tema enfatizado que foi o “Cangaço no Nordeste”, tema este que chamou a atenção dos alunos e a participação de outras disciplinas, História por exemplo, onde a professora trabalhou o tema: Cangaço e expôs um vídeo com a história de “Lampião, o rei do cangaço”. Logo, veio a proposta de formar um pelotão com a Literatura de Cordel e as principais personagens presentes nos folhetos, tais como: Lampião, Maria Bonita, Frei Damião, Padre Cícero, etc. Os alunos desfilaram caracterizados de cangaceiros foi uma maneira de apresentar um pouco da história do cangaço e mostrar a forma como se vestiam, fato que chamou a atenção das pessoas que apreciavam o desfile, foi uma experiência marcante e assim terminamos o bimestre.
            Chegamos ao 4º Bimestre e com ele chegou a nossa Mostra de Conhecimentos, não foi difícil pensar no que fazer, já tínhamos um trabalho realizado durante o 1º, 2º, 3º bimestres. Agora chegou o momento esperado, fazer uma exposição de todos os cordéis lidos pelos alunos e enfatizar a diversidade temática existente na Literatura de Cordel e concluindo a exposição, distribuímos vários exemplares do folheto produzido pelos alunos e com direito a declamação dos versos, declamação esta realizada por um grupo de 12 alunos, foi uma grande exibição, motivo de orgulho para todos e satisfação plena de todos os alunos que participaram desse projeto...
            Caro educador, hoje me emociono ao lembrar tudo o que foi vivenciado no ano passado, mas digo que este trabalho não foi realizado só por mim, mas tive o apoio de todos os colegas de trabalho, como também, da equipe pedagógica que sempre nos orienta a trabalhar com amor e evidenciar em nossos trabalhos a interdisciplinaridade. E você?  Chegou a sua vez, coloque em prática suas idéias sem medo de expor o que pensa, valorize o potencial que você tem em suas mãos, que são seus alunos, regue-os com perseverança e colherás frutos belíssimos.

Abraços: Jane Cleide Cardozo
Juarez Távora - PB

Fonte: escrevendo.cenpec.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário