CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Professor Manoel Lopes Sobrinho produz obra em Literatura de Cordel – O Conserto da Escada.

         

          O Professor e poeta Manoel Lopes escreveu mais uma obra, desta vez intitulada O CONSERTO DA ESCADA, que traz uma espécie de sátira bem pertinente ao momento vivido pelos profissionais da educação na cidade de Redenção do Gurguéia. Manoel Lopes Sobrinho é pedagogo e professor da rede municipal de educação.
Veja algumas estrofes nesta coluna a partir de hoje

XXXVII
No mundo globalizado
Na luta do vai ou quebra
Sempre acontece zebra
Do lado injustiçado
Só o fraco é contemplado
Com a pressão da fervura
Em alta temperatura
Contra esse pessoal
Porém no salão real
A festa é beleza pura.

XXXVIII
Não se tem mais previsão
De algum setor pagar
Porque se ouviu falar
De uma crise no Japão
Uma boa ocasião
De fluir maldosamente
Uma vibração doente
Na cabeça do gestor
Para valores transpor
De trás, de lado e de frente.

XXXIX
O presente conteúdo
Mesmo assim impessoal
Tem uma visão global
Partindo do nada o tudo
É como um punhal agudo
Que calmamente se aguça
Pra ferir no fuça, fuça,
A cabeça de alguém
Mas, tão somente de quem,
Assente-lhe a carapuça.

Fonte: Meio Norte.com/Blog Redenção da Gurguéia

Imagem da internet

Um comentário: