CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Meu encontro com o cordel - Por Marco Haurélio


Cordel




O escritor e pesquisador Marco Haurélio acaba de publicar o livro Literatura de cordel: do sertão à sala de aula (São Paulo, Paulus), que será lançado na Paulus Livraria Vila Mariana (Rua Dr. Pinto Ferraz, 207, próximo ao metrô Vila Mariana, São Paulo), neste sábado, 18, às 10h30. Prosa Poesia & Arte publica, aqui, dois capítulos do livro, gentilmente cedidos pelo autor.

Meu encontro com o cordel

Por Marco Haurélio



Nasci num lugarejo chamado Ponta da Serra, município de Riacho de Santana, no sertão carrascoso da Bahia. Ao lado da casa de meu pai ficava a da minha avó, Luzia Josefina de Farias, uma das pessoas mais inteligentes que conheci, espécie de porta-voz de civilizações há muito defuntas. Nunca esqueci os velhos romances ibéricos cantados por ela nem as histórias de Trancoso, que, passados tantos anos, aos poucos, vou adaptando para o cordel. Um exemplo é A História de Belisfronte, o filho do pescador, publicada pela editora Luzeiro, que faz parte, também, do livro Contos folclóricos brasileiros (Paulus, 2010).
                                                      

Marco Haurélio
Lembro-me ainda de ouvi-la declamando a História da princesa Rosa, que depois descobrir ser de autoria de Silvino Pirauá de Lima, um dos pioneiros do cordel. Aprendi a ler com seis anos e, nas noites iluminadas por candeeiros movidos a querosene, buscava nas gavetas de Dona Luzia as histórias de cordel que tanto me auxiliaram na decifração do código escrito. Além de alguns folhetos publicados em tipografias baianas, de autoria de Minelvino Francisco Silva e Rodolfo Coelho Cavalcante, chamavam minha atenção os de formato maior, coloridos, como João Soldado, de Antônio Teodoro dos Santos, e Dimas e Madalena, de Manoel Pereira Sobrinho. Foi esse o meu primeiro contato com a editora Luzeiro, com seus cordéis com capas coloridas. Descobri, mais tarde, que esse formato havia sido execrado pelos pesquisadores puristas, justamente por fazer sucesso junto às classes ditas marginalizadas, das quais os sacerdotes da razão se julgam representantes.

Juvenal e o dragão, de Leandro Gomes de Barros, era a história mais atraente, pelo menos àquela época. Achava soberbo também O verdadeiro romance do herói João de Calais, de Severino Borges Silva. O assassino da honra ou a louca do jardim, de Caetano Cosme Silva, era outro romance lido e relido por mim e pela família. Minha avó deixou este mundo em 1982, quando eu tinha sete anos, e já morava em Igaporã. Nessa época já havia escrito alguns romances de cordel.

Aos treze anos pensei ter atingido a maturidade literária. Data dessa época, 1987, o cordel O herói da Montanha Negra, o qual, ousadamente, enviei para a Luzeiro. Duas semanas depois, a editora devolveu os originais, sob a alegação de que havia muitos títulos a serem lançados, já negociados com os autores. Na verdade, a minha história primava pela ousadia, fusão de linguagem de HQ sword and sorcery com mitologia grega de filme em stop-motion — e pelas situações incomuns, nunca vistas numa história de encantamento.

Uma amostra:

Leia esta história, leitor,
Até o último momento.
Veja os fatos mitológicos
Num mundo de encantamento,
Onde a Magia é descrita
Muito além do pensamento.


Onde guerreiros valentes,
Destros e admiráveis
Mostram valor enfrentando
Criaturas miseráveis,
Partindo em busca do amor
E façanhas memoráveis.



Onde os gestos mais nobres
Se confundem com a loucura,
Em uma época imprecisa
Passou-se esta aventura
Que valoriza a coragem
E enobrece a bravura.

No final da década de 1990, fui a São Paulo, onde conheci o poeta popular cearense Costa Senna. Regressei à Bahia em 2000. Ingressei no curso de Letras da Universidade do Estado da Bahia, em Caetité, terra natal de Anísio Teixeira. Antes de terminar o curso, retornando a São Paulo, resolvi peregrinar pelos sebos dessa cidade em busca de livros que abordassem tanto a literatura de cordel quanto o conto popular, pensando em ampliar as referências bibliográficas para um mestrado, que terminou ficando em milésimo plano. Acabei me esbarrando com a editora Luzeiro, já dirigida por Gregório Nicoló. Conversa vai, conversa vem, ele, gentilmente, acabou por me convidar para trabalhar na revisão e seleção dos textos de cordel editados pela casa, atividade que desenvolvi por dois anos. 

A experiência amealhada com a labuta no meio editorial e a leitura de milhares de folhetos são as razões deste livro que ora apresento. Ampliando algumas ideias do anterior, Breve história da literatura de cordel(Claridade), e propondo um olhar atual sobre a literatura dita popular, hoje inserida nas escolas, mais do que um estudioso, as minhas credenciais são as do poeta que, quando escreve, é fiel à escola tradicional, que tem em Leandro Gomes de Barros sua principal referência.

Acreditando na cultura popular como sinônimo de resistência, e no cordel como manifesto dessa cultura que não entrega os pontos, vou espargindo versos sobre o papel com o mesmo respeito e cuidado do agricultor que lança a semente e, com ela, a esperança, no ventre da terra.

...............................................

O cordel pede passagem

Entre abril e maio de 2001, uma mostra no SESC Pompeia, em São Paulo, com curadoria do escritor e jornalista Audálio Dantas, celebrou os cem anos da literatura de cordel brasileira. Poetas, ilustradores, editores e repentistas se revezaram em apresentações, exposições, palestras e oficinas. Tudo certo, não fosse um detalhe: a literatura de cordel brasileira, em 2001, já havia ultrapassado um século de existência. O que, evidentemente, não ofuscou o brilho do evento, nem diminuiu a importância da iniciativa. A dificuldade em se apontar o marco inicial se deve em parte à escassez de referência bibliográfica do período. Sílvio Romero, pioneiro dos estudos etnográficos e historiador literário, já fazia uso do termo “literatura de cordel" em Estudos sobre a poesia popular, de 1885. Por outro lado, Romero não destaca nenhum poeta em particular, à exceção de João Sant’Anna de Maria, o que leva a crer que estas publicações incipientes ainda não haviam atingido o padrão que imortalizaria o gênero na memória popular e na cultura brasileira.

A travessia fatalmente seria feita. E, num Nordeste com forte presença do imaginário da Idade Média, dominado pelo misticismo e por crenças impregnadas do ideário cavaleiresco, em especial da gesta de Carlos Magno, foi Leandro Gomes de Barros, poeta paraibano radicado no velho Recife, o herói desbravador da seara do cordel e o modelo a ser seguido por todos os poetas do gênero. São dele alguns dos maiores clássicos do cordel: Juvenal e o dragão, O cachorro dos mortos, História da Donzela Teodora, Os sofrimentos de Alzira, Peleja de Manoel Riachão com o Diabo, O cavalo que defecava dinheiro etc. A partir da gesta de Carlos Magno, Leandro escreveu A batalha de Oliveiros com Ferrabrás A prisão de Oliveiros. Obras que já ultrapassaram com folga a casa dos milhões de exemplares vendidos, e são reeditadas há mais de cem anos, ininterruptamente, fazendo de seu autor o mais importante criador da poesia popular brasileira. 


Leandro teve — e tem — muitos seguidores. João Martins de Athayde, seu sucessor, é o mais conhecido e controverso deles. Admirador de Leandro, criou uma peleja fictícia com o ídolo, mesmo antes de conhecê-lo. Depois da morte do grande poeta, comprou junto à viúva deste, Dona Venustiniana Eulália de Barros, os direitos de publicação de sua obra. Com o tempo, passou a suprimir a informação sobre a autoria de Leandro das capas dos folhetos e, não satisfeito, passou a assinar os títulos como se fossem de sua lavra. Athayde, paraibano de Ingá do Bacamarte, se estabeleceu no Recife, onde criou um importante parque gráfico. Publicou os principais autores de seu tempo, entre eles, José Camelo de Melo Resende, João Melchíades Ferreira da Silva, Silvino Pirauá de Lima, José Pacheco da Rocha, Pacífico Pacato Cordeiro Manso e até mesmo o desafeto Francisco das Chagas Batista, que fora o grande amigo de Leandro. Estes e mais alguns outros, hoje pouco lembrados, são a geração primeira do cordel, os patriarcas, todos nascidos em meados ou nas últimas décadas do século XIX.

O trabalho dos patriarcas irrigou o terreno da poesia popular e ensejou o surgimento de uma importante geração de autores nas primeiras décadas do século XX: o pernambucano João Ferreira de Lima, autor deProezas de João Grilo e da História de Mariquinha e José de Souza Leão, é um exemplo. Foi a Paraíba, no entanto, o berço dos autores de maior brilho: Manoel D’Almeida Filho, Joaquim Batista de Sena, Manoel Camilo dos Santos, Cícero Vieira da Silva, Natanael de Lima, Apolônio Alves dos Santos, entre outros. Todos nascidos no interior e estabelecidos, por força da necessidade, em grandes centros, onde conciliavam a atividade de criadores de versos populares com a luta pela sobrevivência. Uma exceção é Delarme Monteiro da Silva. Nascido em Recife, foi ajudante na tipografia de João Martins de Athayde. Frequentador dos cinemas da capital pernambucana, buscou nos filmes e nos livros inspiração para seus romances de enredo impactante e fluência notável.

Vinculados às tipografias tradicionais, os autores de cordel, quase sempre, abriam mão de suas obras por preços irrisórios ou em troca de exemplares editados dos livrinhos cedidos definitivamente aos editores-proprietários. Na maioria dos folhetos sequer constava o nome do autor na capa. Quando muito, aparecia uma referência em acróstico, ficando para o leitor a tarefa de identificá-lo. Até hoje, em trabalhos acadêmicos, muitos títulos clássicos do cordel brasileiro são atribuídos ao editor-proprietário.

Paraíba e Pernambuco eram, até a primeira metade do século XX, os centros da produção cordelística no Nordeste. Os outros estados nordestinos eram a periferia. Isso começa a mudar com a chegada do alagoano Rodolfo Coelho Cavalcante à Bahia. Instalado em Salvador, esse poeta, que também foi uma grande liderança, fez do Mercado Modelo um centro difusor da lira popular. No interior do estado, percorrendo várias cidades, o poeta, xilógrafo e impressor Minelvino Francisco Silva semeava poesia desde Itabuna, no sudoeste baiano, até o norte de Minas Gerais.

Essa geração, responsável pela consolidação do cordel, e a seguinte, que tem entre seus expoentes poetas do calibre de Cícero Vieira da Silva, José João dos Santos (Azulão), Eneias Tavares e João Firmino Cabral, sofreram com as sucessivas crises econômicas, cujas consequências não cabe aqui discutir, e com a falta de renovação, o que levou alguns estudiosos com tendências paternalistas a apregoarem, no fim dos anos 1980, a morte da literatura de cordel. 

Mas o cordel, felizmente, não morreu. E ressurgiu forte, na última década do século XX, graças a uma nova geração que soube preservar a temática tradicional, ao mesmo tempo que, aceitando novos desafios, incorporou a poesia popular à literatura infantil e juvenil, levando-a para a sala de aula. Dessa geração, a atual, fazem parte Antônio Carlos da Silva, o Rouxinol do Rinaré, Klévisson Viana, Nezite Alencar, Arievaldo Viana, Antônio Barreto, Moreira de Acopiara, Fábio Sombra, Varneci Nascimento, Dideus Sales, João Gomes de Sá, Arlene Holanda e o autor deste livro, Marco Haurélio. Com a devida vênia da geração anterior, com que aprendemos muito, composta por nomes como João Firmino Cabral, Mestre Azulão e Manoel Monteiro.

E o desafio dessa geração, a nova, a nossa geração, é levar o cordel a todos os públicos, sem desprezar a tradição, a coluna em que essa arte se sustenta, mas também sem fugir às lutas impostas pelos novos tempos. É preciso, também, buscar uma nova definição para esse gênero, para além dos estereótipos e das significações restritivas dos que, sob o pretexto de defendê-lo, quase o mataram.

É o que proponho neste livro. 

Do livro: Marco Haurélio. Literatura de Cordel: do sertão à sala de aula. São Paulo, Paulus, 2013

Fonte: Site Vermelho.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário