CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Literatura de Cordel: A Luta dos Catadores de Lixo do Jangurussu - Fortaleza


Cordel de Marcos Bandeira
Eu disse que avisava
e todos são sabedores
Ihes trago mais uma história
de homens trabalhadores
vou falar neste cordel
da luta dos Catadores

Primeiro eu vou falar
me acompanhe leitor
do trabalho e do esforço
e demonstrar o valor
desses homens e mulheres
que se chamam catador

Trabalham de sol a sol
ao pino do meio dia
sem ter lanche, sem ter nada
e pouquíssima quantia
eles quase não tem força
quase não tem alegria

Não tem plano de saúde
ferramentas nem pensar
a maioria não sabe
o seu nome assinar
e pra aumentar o problema
o salário que não há 
Fonte:  Lixo.com via bibliotecaprt21.wordpress.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário