CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sexta-feira, 21 de março de 2014

O CASTIGO DA SOBERBA - obra recolhida por Leonardo Mota junto ao cantador Anselmo Vieira de Sousa (1867- 1926)

Pessoal vasculhei a internet e quase não encontro esta obra que é uma nas quais Ariano Suassuna se baseou para elaborar a peça "Auto da Compadecida".  Ainda bem que as amigas Aline da Rosa Alves e Juliana Apolo da S. M. Lopes a anexaram em sua monografia  “Auto da Compadecida em Hipermídia”, e disponibilizaram para o grande público. A partir do citado trabalho reproduzo abaixo esta tão majestosa obra: 


Agora eu passo a contar
Do que houve em algum tempo:
O Castigo da Soberba,
Que ficou para exemplo,
Foi um caso acontecido,
Não é coisa que eu invento.

Era um homem muito rico,
Tinha honras de Barão,
Tinha vinte engenho de ferro,
Em metal trinta milhão,
Doze mil vacas paridas
Nas fazendas do sertão.

A mulher deste Barão
Tinha honras de rainha,
Sessenta e cinco criadas
Para lhe servir na cozinha,
Parecia inda mais bela
Pelos cabelos que tinha.

Com vinte anos de idade
Ele tomou novo estado,
Aumentou o cabedal
Adespois de ter casado,
Que, antes de interar dez anos,
Sete vez havia herdado.

Bem conhecido e falado
Dos mais homens brasileiros,
Tanto por bens de fortuna
Como em crédito de dinheiro,
Mas não tinha nem um filho
Para dele ser herdeiro.

Era grande no respeito
Pelos bens que possuía...
Se era grande na riqueza,
Maior era em fidalguia
E, se era grande em nobreza,
Maior era em soberbia.

Seus cinqüenta anos de idade
Tinha ele já contado,
Tinha vinte de solteiro,
Tinha trinta de casado,
Esperança de ter filho
Já estava desenganado.

Quando interou cinqüenta anos,
Deu-se um certo movimento:
Seus bens, sem se saber como,
Se acabavam num momento,
Era como ridimunho
Ou tempestade de vento.

No campo os bichos de folgo
De repente se acabavam,
As plantações que fazia
Nasciam mas não vingavam,
Dinheiro que desse juro
Nunca mais lhe pagavam.

Não se passou muito tempo,
Acabou-se a tal grandeza:
Olhe o pobre acabrunhado,
Carregado de pobreza,
Desprezado dos amigos
Em quem contava firmeza!

Caiu a mulher doente,
Bastante desabilitada,
Desprezada das amigas,
Por quem era visitada,
No meio desse desprezo
Apresentou-se pejada.

Foi-se aproximando o dia
Que deu à luz o filhinho:
Nasceu em tanta pobreza
Que enrolou-se em mulambinho,
Por sua grande miséria
Foi difice achar padrinho.

Criou-se sem ir à Missa
E nunca se confessou,
Pôs os pés na santa Igreja
Só quando se batizou,
Negócio de penitência
Ele nunca procurou.

Esmola por caridade
Isso nunca que ele deu;
Deitava e se levantava,
Porém nunca se benzeu;
Viveu assim, deste gosto,
Té o dia em que morreu.

Logo assim que ele morreu,
Cobriu-se os montes dum véu,
Mas a alma como invisive,
Chegou às portas do céu,
Em tristeza amortalhada
Para dar contas de réu.

Mais de doze mil demônios
Tudo isso lhe acompanhavam,
Uns se rindo, outros soltando
Gargalhadas que rolavam,
Todos eles muito alegres
Da certeza que levavam.

-“Ô divino São Miguel,
Vosso nome escularêço,
Valei-me nesta agonia,
Nestas pena em que padeço!”
São Miguel arrespondeu:
- “Alma, eu não te conheço!”

- “Vala-me o Senhor São Pedro
Por ser Apóstolo primeiro,
Foi quem recebeu as chaves,
Que do céu é o chaveiro,
É quem pode ver as faces
Do nosso Deus verdadeiro!”

- “Alma, eu te abro a porta
Porque tu me vem rogar,
Porém não tenho poder
Pra fazer-te aqui ficar...
Tu recorre a Jesus Cristo
Que é quem jeito pode dar.”

Abriu-se as portas do céu,
A alma viu toda a alegria,
Também viu Nossa Senhora,
Jesus, Filho de Maria,
Para Quem não pôde olhar
Pelas culpas que trazia.

Curvou-se, beijou-lhe pés,
Felizmente Ele aceitou...
-“Me acudi, meu doce Pai,
Valei-me, Nosso Senhor,
Sempre vejo vos chamar
Refúgio dos pecador!”

- “Arretira-te, alma ingrata,
Vai para donde tu andaste,
Que a santa Religião
Tu nunca que procuraste:
Te dei trinta e quatro anos,
Nunca de mim te lembraste.”

- “Ai, Senhor, por piedade,
Tenha de mim compaixão,
Pelo dia em que nasceu,
Por vossa Ressureição,
Por aquele grande dia
Da vossa Morte e Paixão!”

(Cão) – “Isto era o que faltava:
MANUEL padeceu as dor,
E tu reza e caridade
Nunca fez por seu amor,
Confissão e penitença
Tu toda vida abusou.”

(Jesus) – “Alma, tu bem estás ouvindo
Esta grande acusação,
Eu, até pra defender-te
Não vejo um pé de razão,
Abre a tua consciência,
Faz a tua confissão.”

(Cão) – “Isso é só tempo perdido,
Não tem ele o que dizer,
Pois, enquanto andou no mundo,
Só tratou de te ofender,
Nunca lhe veio à lembrança
Que ainda haverá de morrer!”

(Alma)- “Ai, Senhor, se compadeça,
Nunca a vós eu quis servir,
Não sei mesmo o que vos diga
Pois não vos posso iludir
E me vejo na presença
De Quem não posso mentir.”

Disse os demônio duns pros outros:
- “Boa confissão aquela!
Agora queremos ver
Essa alma pra quem apela...
MANUEL é reto e justo,
Nós hoje carreja ela!”

(Jesus) – “Alma, pelo que me dizes
Eu não posso te valer:
Tu me viste morto de fome,
Não me deste de comer!
Tu me viste morto a sede,
Não me deste de beber!”

“Eu estava muito mortal,
Tu não foste visitar;
Tu me viste na cadeia,
Não foste me consolar;
Quando eu te vi errado,
Te mandei aconselhar.”

“Assim agora, alma ingrata,
Vai cumprir teu triste fado,
Que tu não fez pela vida
De purgar os teus pecado,
Na minha Glória só entra
Coração purificado.”

(Alma) – “Vala-me, ó Virgem Maria,
Pelo vosso resplandor,
Pelo dia em que nasceu
Pelo nome que tomou,
O nome do vosso filho
Que no ventre carregou!”

(Maria) – “Alma, já que me chamaste,
Na presença te cheguei,
Tu falaste com fiança
Neste nome que eu tomei,
No nome do meu filhinho
Que no ventre carreguei.”

(Alma) – “Ai, Senhora, Virgem Pura,
Padroeira mãe dos home,
Valei-me nesta agonia,
Nesta sorte que consome,
Sempre vejo protegido
Quem recorre a vosso nome.”

(Cão) – “Como ele está com ponta
Só pra iludir Maria,
Com tantos anos de vida
Nome dela nem sabia,
Só sabia decorado
Era praga e harizia.”

(Maria) – “Alma, tu nunca assististe,
Nem ao menos um momento,
Dentro dum lugar sagrado
Onde houvesse um Sacramento,
Que tu ouvisses meu nome
Com grande contentamento?...”

(Alma) – “Senhora, eu passando, um dia,
Numa casa de oração,
Eu, vendo o povo lovando
A vossa consagração,
Eu ouvi com muito gosto
Com meus dois joelho no chão.”

(Cão) – “Já Maria está puxando,
A coisa se desmantela,
Aquilo nunca se deu,
Vejam que mentira aquela!
Eu vi que esta mulher
Todo mundo ilude ela!”

“Ela põe-se a esmiuçar
Puxa de diante pra trás,
Pega com tanta pergunta,
Também isso não se faz,
Até aparecer coisa
Que ninguém se lembra mais.”

(Alma) – “Mãe amada, me livrai
Das grandes rigoridade,
Sei que gastei meus dias
Envolvido em vaidade,
Mas espero ser valido:
Valei-me por caridade!”

(Maria) – “Alma, o que tu me pediste
Eu não posso prometer,
Se tivesse em penitença,
Com razão eu ia ver:
Mas assim é impossível
Te salvar, sem merecer.”

(Alma) – “Rainha, Mãe Amorosa,
Esperança dos mortais,
Quem me recorre a vosso nome
Sei que não desamparais,
Eu pegando em vossos pés,
Sei que não largo eles mais.”

(Maria) – “Pois, alma, demora aí,
Enquanto eu vou consultar,
Fazer pedido a meu Filho,
Ver se eu posso te salvar,
Ver se teus grandes pecados
Têm grau de se perdoar.”

(Cão) – “Como esta tal Maria
Eu mesmo nem nunca vi:
Uns pedem por interesse,
Pedem porque é para si,
Mas ela pede é pros outros,
Não se enjoa de pedir...”

(Maria) – “Meu filhinho, aqui cheguei,
Vim te fazer um pedido
Para uma alma que chegou
Lá do mundo corrompido...
Tu, não tendo compaixão,
Pra ela o céu está perdido.“

(Jesus) – “Mas, minha Mãe, não é assim,
Todos bem podem saber:
Lá deixei as Escrituras
Contando como há de ser...
Os profetas publicando,
Foi pra todos compreender.”

(Cão) – “Isso é outro português!
Quem se engana é porque quer...
Loucura grande a do home
Que se ilude com mulher...
Nem sei como se defende
Uma alma tão lheguelhé...”

(Maria) - “Meu Filho, dê-me a resposta
Pra ciença do cristão,
Eu sei que é grande pecado
Não procurar confissão,
Porém, meu filho, o pecado
Vem desde o tempo de Adão.”

(Jesus) – “Minha Mãe, larguemo esta alma,
Foi muito ruim criatura...
Se eu chegar a salvar ela,
Muitas outra estão segura,
E eu não posso salvar
A quem a mim não procura.”

(Maria) – “Pra isto mesmo, meu Filho,
Foi vossa ressureição,
Trespassaram vós no peito,
Foi Longuim cãs suas mão,
Sofrestes muito trumento
Na vossa morte e paixão.”

“Por vossa misericórdia
Cipriano se salvou,
Vós salvaste a outros muito
Pelo vosso santo amor,
Também perdoaste Paulo,
Sendo teu perseguidor.”

“Matia estava sofrendo,
Vós avisaste num sonho
Também livraste da morte
Pai do senhor Santo Antônio
E a filha de Cananéia
Da vexação do demônio.”

“Enfim sempre perdoaste
A quem vos pediu perdão;
Longuim, por se converter,
Prostrou-se e pediu perdão,
Por isto lhe deste a vida
E também a salvação.”

“Quando os Judeus vos faziam
Grandes tormentos e horror,
Pedro, por três vez seguida,
Vos desconheceu, negou,
Mas vós lhe deste o poder
De ser vosso sucessor.”

“Meu filho, perdoe esta alma,
Tenha dela compaixão!
Não se perdoando esta alma,
Faz-se é dar mais gosto ao cão:
Por isso abissolva ela,
Lançai a vossa benção.”

“Se vós não salvar esta alma
Que aos vossos pés se apresenta,
O demônio, sabendo disto,
Agora é que bem atenta,
E eu quero que ele hoje
Réle a teste e quebre a venta.”

(Jesus) – “Pois, minha Mãe, carregue a alma,
Leve em sua proteção,
Dia às outras que a recebam,
Façam com ela união...
Fica feito o seu pedido:
Dou a ela salvação.”

(Cão) – “Vamos todos nos embora
Que o causo não é o primeiro,
E o pior é que também
Não será o derradeiro...
Home que a mulher domina
Não pode ser justiceiro!”

(Jesus) – “Os demônios se arretirem,
Vão lá pras suas prisão
Que é pra não atentar mais
A todo fiel cristão...
Quem recorrer ao meu nome,
Eu garanto a salvação.”

Agora acabei o verso
Minha história verdadeira...
Toda vez que eu canto ele,
Dez mil réis vem pra algibeira,
Porém hoje eu dou por cinco:
Talvez não ache quem queira!

7 comentários:

  1. Excelente postagem, meu caro. Os três títulos em que se inspirou Ariano Suassuna — O Castigo da Soberba, O Dinheiro e O cavalo que Defecava Dinheiro, os dois últimos de Leandro Gomes de Barros — foram arrolados por Leonardo Mota na obra Violeiros do Norte. Anselmo Vieira de Souza foi a fonte oral deste poema, que é o auto propriamente dito. Seu autor mais provável é Silvino Pirauá de Lima, talvez o primeiro a escrever romances em versos na linha que seria seguida por outros poetas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valew poeta, seu comentário traz informações bastante relevantes para a compreensão das origens da obra. Abraço.

      Excluir
  2. Gostaria de acrescentar mais um folheto no qual o agora saudoso Ariano se inspirou para escrever sua obra mais famosa, o Auto da Compadecida: é o cordel As proezas de João Grilo, de autoria do poeta popular João Ferreira de Lima. Sobre o Cavalo que defecava dinheiro há uma dupla autoria, atribuída tanto ao Leandro Gomes de Barros, como afirmou o Marco Haurélio, quanto ao João Martins de Athayde. Segundo pesquisas históricas, este último ampliou a obra de Leandro, enriquecendo-a ainda mais.

    ResponderExcluir
  3. Fiquei muito triste ontem, ao saber da morte do Ariano. A cultura nordestina - e brasileira, perdeu um de seus grandes porta-vozes. Perda irreparável...

    ResponderExcluir
  4. A propósito do cordel, gostaria de compartilhar um site que contém um acervo magnífico com folhetos digitalizados de grandes poetas populares. Para acessar: http://www.casaruibarbosa.gov.br/cordel/index.html
    Abraço e espero ter contribuído...

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela postagem faz muito tempo que procurava este texto Obrigado!

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela postagem faz muito tempo que procurava este texto Obrigado!

    ResponderExcluir