CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

domingo, 9 de março de 2014

A História do Brasil em Literatura de Cordel – De 1500 a 2010


(imagem de internet inserida por este blog)

Por Francisco de Assis Campos Saraiva


Este é o título do livro de 189 páginas, que recebi do grande amigo e conterrâneo, PEDRO NONATO DA COSTA, uma obra cultural da melhor grandeza e qualidade. Fiquei deveras envaidecido com a mensagem: “Ao amigo Dr. Saraiva, com admiração e apreço. Teresina, 07 de fevereiro de 2014.” Trata-se de um trabalho esmerado e meticuloso, que merece louvor e reconhecimento. Síntese Biográfica do Autor: Pedro Nonato da Costa, nascido a 03 de abril de 1962, no município de Alto Longá - Piauí. É filho de Raimundo Nonato da Costa e Maria dos Anjos Alves da Costa. É o décimo quinto filho do casal. Casado com Luzia Sotero de Abreu da Costa, com quem teve os filhos Francisco Wagno Sotero Costa e Luís Carlos Sotero Costa. É cantador repentista, compositor, poeta cordelista, editor, ator e radialista. Gravou quatro CDS: Sonhos de Cantadores. Causos e Cantorias. Pai e Filho Contando História e Saudação ao Vaqueiro. É fundador e atual presidente do Sindicato dos Cantadores e Poetas populares do Piauí. Realizou mais de vinte Festivais de Violeiros. Criou a Revista de Divulgação Cultural “De Repente”, em dezembro de 1994 e a Fundação Nordestina de Cordel - FUNCOR, em 1999.  Medalhas: Mérito Renascença do Estado do Piauí. Mérito Oficial da Polícia Militar. Mérito Cultural dos Estados do Piauí e do Ceará. Cidadão Teresinense. Comenda de maior divulgador da Cultura Nordestina no Festival Internacional de Trovadores e Repentistas de Quixadá-CE. Ganhou os Concursos em Cordel: Teresina, 145 anos, em 1997. Metrô de São Paulo, Cordel “A Cidade Sobre os Trilhos” em 2003. Livros: “Poemários de Cordéis.”, publicado pela Editora da UFPI. ”As Modalidades e as Técnicas do Repente.” “A Maestria do Rei do Repente Domingos Fonseca”. É Diretor Presidente da FUNDAÇÃO NORDESTINA DO CORDEL. É Membro da Academia de Letras do Vale do Longá - ALVAL. Academia Longaense de Letras, Cultura, História e Ecologia - ALLCHE e Academia Brasileira de Literatura de Cordel - ABLC.   
O livro discorre desde a colonização do Brasil à Inconfidência Mineira. Do Governo Tomé de Sousa e a primeira capital, em 1549. Atividades Missionárias. Aclamação de Amador Bueno, em 1641, em São Paulo. Guerra dos Emboabas, em 1709, em Minas Gerais. Revolta de Felipe dos Santos, em 1729, em Minas Gerais. Inconfidência Mineira de Vila Rica, em 1789, em Minas Gerais. A Inconfidência Baiana ou Revolta dos Alfaiates, em 1798. Vinda da família Real para o Brasil, em 1808. Realizações de Dom João VI.  Revolução pernambucana, de 1817. Volta de Dom João VI. Independência do Brasil. E a Batalha do Jenipapo, em 13 de março de 1823, em Campo Maior-PI. Fala do Brasil Império e o Primeiro Reinado, de 1822 a 1831. Reconhecimento da Independência pelos Estados Unidos da América do Norte, em 1824. A primeira Constituição Brasileira, de  25 de março de 1824. Guerra da Cisplatina. Período Regencial, de 1831 a 1840. Cabanagem do Pará, de 1835 a 1840. Sabinada da Bahia, de 1837 a 1838. Balaiada do Maranhão, de 1838 a 1841. Guerra dos Farrapos, de 1835 a 1845. Fim do Período Regencial. Maioridade em 23 de julho de 1840. Segundo Reinado. José Bonifácio de Andrade e Silva.
O Livro é rico em detalhes. Fala de Dom Pedro II. Guerra do Paraguai, de 1864 a 1870. Causas da Guerra e as lutas. Zumbi dos Palmares à Abolição da Escravatura. Lei Eusébio de Queiroz, de 1850. Lei do Ventre Livre, de 1871. Em 13 de Maio de 1888 foi assinada a Lei Áurea pela Princesa Isabel, filha de D. Pedro II. Principais republicanos: Benjamin Constant, Marechal Deodoro da Fonseca, Solon Ribeiro, Saldanha Marinho e Campos Sales. O Comando do Marechal Deodoro da Fonseca e o fim da Monarquia, transformando o Brasil em um país republicano. Prossegue com Floriano Peixoto, Prudente de Moraes e a guerra de Canudos, de 1896 a 1897, na Bahia. Campos Sales, Rodrigues Alves, de 1902 a 1906, Afonso Pena, Nilo Peçanha, Hermes da Fonseca, José Maria da Silva Paranhos (Barão do Rio Branco), com produção de café em Minas Gerais e São Paulo, Wenceslau Braz, Delfim Moreira, Epitácio Pessoa, com o Tenentismo de 1921 a 1930, a vinda dos japoneses para o Brasil, de 1920 a 1934 e a Revolução Paulista. Artur Bernardes e a coluna Prestes, de 1924 a 1926, Washington Luis, Júlio Prestes, Junta Governista, de 24/10/1930 a 03/11/1930, Mena Barreto, Isaías de Noronha e Augusto Fragoso. Discorre sobre o Estado Novo, que marca a era Vargas e sua ditadura. A Revolução Constitucional de 1932. Segunda Fase do Governo Constitucional, de 1934 a 1937. A Constituição de 1934. Aliança Nacional Libertadora liderada por Luís Carlos Prestes. A Intentona Comunista de 1935. Segunda fase da Ditadura do Estado Novo, de 1937 a 1945. Fim do Estado Novo. Seqüência Presidencial com José Linhares, Gaspar Dutra, Café Filho, Carlos Luz, Nereu Ramos, Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros, João Goulart, Ranieri Mazzilli, Castelo Branco, Costa e Silva, Aurélio Lira, Augusto Rademaker, Márcio Melo, Emílio Médici, Ernesto Geisel, João Figueiredo e Tancredo Neves. Prossegue com José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva. O autor fez uma mini síntese biográfica dos que exerceram cargo de Presidente da República. Trata-se de uma obra cultural valiosa, que pode ser adotada nas escolas do País, públicas ou particulares.
Parabéns ao escritor Pedro Nonato da Costa pela obra elaborada. O poeta é um orgulho Alto Longaense e um patrimônio cultural Piauiense e do Brasil. Pode ser considerado como um dos maiores poetas cordelista dos tempos hodiernos, com o qual nos confraternizamos de coração.
”Mas sede fortes, e não desfaleçam as vossas mãos, porque a vossa obra terá recompensa.” (2 Crônicas 15.7).

* Oficial R1 do Exército, empresário, titular e dir.téc. do Laboratório Lobo D’Almada, membro da ALB e da ALLCHE
E-mail: ldalmada@hotmail.com



Fonte: http://www.folhabv.com.br/mobile/noticia.php?id=167105

Nenhum comentário:

Postar um comentário