CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Mini curso de literatura de cordel, poesia popular e ritmo - BA

 cordel

14 e 15 de julho

Ouro Preto
de 14 às 18 hrs
Investimento de $30,00
Público Alvo
-Crianças e adolescentes de escolas públicas e privadas
-Jovens e agentes multiplicadores que atuam em ONGs
-Pertencentes da melhor idade que buscam
melhoria na qualidade de vida
-Graduandos e pesquisadores de cultura popular
-Interessados em literatura de qualquer faixa etária e classe social.
A oficina vai acontecer no Ateliê Nossa Senhora da Conceição, um novo espaço de artes em Ouro Preto. O endereço do Ateliê é Rua da Conceição, 14, no bairro Antônio Dias. Venham, participem!

A literatura de cordel chegou ao Brasil no século XVIII, através dos portugueses. Aos poucos, foi se tornando cada vez mais popular. Nos dias de hoje, podemos encontrar este tipo de literatura, principalmente na região nordeste do Brasil. Ainda são vendidos em lonas ou malas estendidas em feiras populares.
De custo baixo, geralmente estes pequenos livros são vendidos pelos próprios autores. Fazem grande sucesso em estados como Pernambuco, Ceará, Alagoas, Paraíba e Bahia. Este sucesso ocorre em função do preço baixo, do tom humorístico de muitos deles e também por retratarem fatos da vida cotidiana da cidade ou da região. Os principais assuntos retratados nos livretos são: festas, política, secas, disputas, brigas, milagres, vida dos cangaceiros, atos de heroísmo, milagres, morte de personalidades etc.
Em algumas situações, estes poemas são acompanhados de violas e recitados em praças com a presença do público.

Fonte: Vira-saia

Nenhum comentário:

Postar um comentário