CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

domingo, 3 de julho de 2011

Literatura de cordel é tema de exposição em Porto Alegre com apresentação musical de Beto Brito

Fonte: agencia.fecomercio-rs.org.br

Entre os dias 18 e 23 de julho, Porto Alegre recebe a exposição “O Cordel e o Cantador – Mostra didática sobre literatura de cordel”. As obras que compõe a mostra estarão à disposição para visitação no Café Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665), das 9h às 19h, com entrada franca.

A exposição pretende resgatar a literatura de cordel, reproduzindo no formato comum, onde os cordelistas/poetas populares apresentam seus trabalhos pendurados em cordões, com as capas voltadas para o público, além de destacar o papel do cantador ou repentista. A atividade faz parte da agenda do Arte Sesc – Cultura por toda parte e antecede as comemorações do Mês do Folclore, que acontece em agosto.

Integra a programação, o espetáculo musical “Bazófias”, de Beto Brito, que será apresentado no dia 21 de julho, às 20h, no Teatro do Sesc. Os ingressos podem ser adquiridos a partir do dia 1º de julho no Sesc Centro por R$ 5,00 comerciários com Cartão Sesc; R$ 10,00 classe artística, estudantes e idosos; R$ 16,00 empresários; e R$ R$ 20,00 usuários e comunidade em geral. Outras informações pelo telefone (51) 3284-2070.

“Bazófias” é um disco atemporal, cujas letras, foram musicadas do seu livro: “O Maior Cordel do Mundo, Bazófias de Um Cantador Pai Dégua”. A rabeca se mostra imponente, altiva e vigorosa, executada com simplicidade, porém com firmeza e maestria, em arranjos crus, entre guitarras e loops marcantes. Estes loops definem com precisão e ousadia a sonoridade pesada e rústica de uma musicalidade atípica, transcendental, nordestino-brasileira, superando conceitos e rótulos convencionais.

A literatura de cordel é um tipo de poema popular, originalmente oral, e depois impressa em folhetos rústicos ou outra qualidade de papel. Chamam a atenção pela forma que são expostos para venda: pendurados em cordas ou cordéis, fato que deu origem ao nome dado em Portugal, que tinha a tradição de pendurar folhetos em barbantes. São escritos em forma rimada e alguns poemas são ilustrados com xilogravuras, o mesmo estilo de gravura usado nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos. Os autores ou cordelistas recitam esses versos de forma melodiosa e cadenciada, acompanhados de viola, como também fazem leituras ou declamações muito empolgadas e animadas para conquistar os possíveis compradores.

Sobre o Sesc - No Rio Grande do Sul, o Sesc está presente em mais de 450 municípios com atividades sistemáticas em áreas como a saúde, esporte, lazer, cultura, cidadania, turismo e educação. Desta forma, o Sesc/RS desempenha o papel social assim como o Senac/RS o da qualificação profissional do Sistema Fecomércio-RS que atua em âmbito econômico, político e social pela constante qualificação e crescimento do setor terciário gaúcho. Mais informações podem ser obtidas pelo site www.sesc-rs.com.br.

Imagem: portalcorreio.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário