CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

domingo, 19 de julho de 2015

VINDE A NÓS, Ó POESIA...



Por Manoel Belizario

No mundo pálido, acéfalo
Cheio de esquizofrenia
Ser nuvem é chorar fuligem
Ou vagar no céu, vazia
Ou dissolver-se no vento
Um feitor mui violento
Preso na própria alforria.

O planeta ensandecido
Vitimado em agonia
Paga os gestos tresloucados
Ficando em desarmonia.
Não há canto de ninar
Talvez possam nos salvar
Sussurros de poesia.

Que a poesia venha –
Não importando o formato.
O verso abraçado à prosa;
Concreto amando abstrato;
O planeta silencia
Vendo que a poesia
Barra seu assassinato.

Imagem: impenetravelego.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário