CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

FORRÓ MASTRUZ COM LEITE: MEU VAQUEIRO MEU PEÃO

Composição: Rita de Cássia

á vem montado em seu alazão
Chapéu de couro, laço na mão
Seu belo charme me faz cantar
No rosto um grande lutador
Que trabalha com calor
Com toda dedicação...

Oh! meu Vaqueiro, meu Peão
Conquistou meu coração
Na pista da paixão
E valeu o boi...(2x)

Eu estou sempre ode ele está
Forró, vaquejada qualquer lugar
Eu vou seguindo o meu Peão
Seus braços fortes, sua cor
Vaqueiro eu quero o teu calor
Em seus braços quero estar...

Oh! meu Vaqueiro meu Peão
Conquistou meu coração
Na pista da paixão
E valeu o boi...(2x)
Teu amor valeu o boi!
Teu calor valeu o boi!
Ter você valeu o boi!
Meu Vaqueiro...(2x)

Já vem montado em seu alazão
Chapéu de couro, laço na mão
Seu belo charme me faz cantar
No rosto um grande lutador
Que trabalha com calor
Com toda dedicação...

Oh! meu Vaqueiro, meu Peão
Conquistou meu coração
Na pista da paixão
E valeu o boi...(2x)
Teu amor valeu o boi!
Teu calor valeu o boi!
Ter você valeu o boi!
Meu Vaqueiro...(2x)

Fonte Música e Vídeo

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário