CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sábado, 22 de maio de 2010

MATE AS SAUDADES DOS ANOS DE OURO DO FORRÓ MASTRUZ COM LEITE

OUÇA E CANTE A MÚSICA NAMORO NA FAZENDA

(Para ouvir clique 1° botão da esq. p/ direita)

Mastruz com Leite Volume II Álbum: “Coisa Nossa”

Quando eu fui morar lá na fazenda, meu pai queria que eu fosse fazendeiro,
Um dia lá na sombra da jurema, eu conheci a filha do vaqueiro...
Uma menina de cabelos compridos, sorriso lindo com os olhos de sereia,
Ela ficou no meu pensamento e foi aí que eu me apaixonei 2x

Um dia lá na água do açude fui tomar banho e ela apareceu,
Sozinha numa noite de lua, e foi aí que tudo aconteceu,
Seu pai descobriu o nosso namoro e foi aquele tere - tetê
O velho não queria nosso casamento, e mesmo assim com ela me casei
(O velho não queria nosso casamento, e mesmo assim com ela me casei)

Um dia lá na água do açude...

Fonte:  http://letras.terra.com.br/mastruz-com-leite/335908/

Nenhum comentário:

Postar um comentário