CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quinta-feira, 27 de maio de 2010

CORDELISTA PARAIBANO FRANCISCO DINIZ

 

    

          Francisco Ferreira Filho Diniz, paraibano, sertanejo de Santa Helena, autor de mais de 60 folhetos, é professor de educação física da escola municipal Instituto São Marcus, em Santa Rita-PB e desenvolve um trabalho de valorização e divulgação do folheto de cordel nas escolas de Santa Rita, Bayeux, Cabedelo e João Pessoa desde o ano 2000. Através de palestras e oficinas expõe como produzir um texto observando a rima, a métrica e as estrofes em sextilha, setilha, décima e quadra. Já percorreu mais de 300 salas de aula com essa iniciativa, além de se apresentar em praças, feiras, teatros, bares, supermercados realizando exposições de literatura de cordel. Expõe os seus trabalhos e de seus parceiros desde 2001 no site da internet: http://literaturadecordel.vila.bol.com, que conta com uma média de 120 visitantes por dia. Gravou 3 cds nos anos de 2003, 2004 e 2006. Os cds são vendidos a preços populares e/ou trocados nas escolas por resmas de papel ofício/jornal/colorido para produção de folhetos, que são distribuídos, gratuitamente, em escolas públicas.
         Teve o projeto Literatura de Cordel na Escola aprovado pela lei estadual de incentivo à cultura em 2002 e, através deste projeto, distribuiu em 2003 uma coletânea de 20 folhetos, em parceria com Valentim Martins Quaresma Neto, para 189 escolas estaduais de João Pessoa e Santa Rita, além de 75 instituições culturais da Paraíba.
         Em 2007 conseguiu a aprovação do Projeto Cordel através do FMC- Fundo Municipal de Cultura - da Prefeitura de João Pessoa, para se apresentar em 48 escolas municipais com o grupo de música regional, composto de sanfona, gaita, 3 violões, zabumba, percussão em tubadoras e triângulo, fazer palestra sobre o cordel e distribuir gratuitamente, em cada escola, 500 folhetos de sua autoria, sendo 10 títulos diferentes e totalizando 24 mil exemplares. 
         Idealizador e coordenador da Tenda do Cordel, atração da festa de São João (de 23 a 29 de junho), realizada pela prefeitura de João Pessoa, que reuniu 17 cordelistas de João Pessoa, do interior da Paraíba, de Pernambuco, Ceará e São Paulo. Coordenador da Tenda do Cordel durante a Festa das Neves de 30 de julho a 05 de agosto e que reuniu mais de uma dezena de artistas populares.
          No ano de 2006 foi o vencedor do Prêmio Novos Autores Paraibanos pela Universidade Federal da Paraíba com o folheto de cordel: Quadrilha Junina. 
           Vejamos a seguir uns versos deste cordelista:

O QUE É LITERATURA DE CORDEL

Literatura de Cordel
É poesia popular,
É história contada em versos
Em estrofes a rimar,
Escrita em papel comum
Feita pra ler ou cantar.

A capa é em xilogravura,
Trabalho de artesão,
Que esculpe em madeira
Um desenho com ponção
Preparando a matriz
Pra fazer reprodução.

Mas pode ser um desenho,
Uma foto, uma pintura,
Cujo título, bem à mostra,
Resume a escritura.
É uma bela tradição,
Que exprime nossa cultura.

7 sílabas poéticas,
Cada verso deve ter
Pra ficar certo, bonito
E a métrica obedecer,
Pra evitar o pé quebrado
E a tradição manter.

Os folhetos de cordel,
Nas feiras eram vendidos,
Pendurados num cordão
Falando do acontecido,
De amor, luta e mistério,
De fé e do desassistido.

A minha literatura
De cordel é reflexão
Sobre a questão social
E orienta o cidadão
A valorizar a cultura
E também a educação.

Mas trata de outros temas:
Da luta do bem contra o mal,
Da crença do nosso povo,
Do hilário, coisa e tal
E você acha nas bancas
Por apenas um real.

O cordel é uma expressão
Da autêntica poesia
Do povo da minha terra
Que luta pra que um dia
Acabem a fome e miséria,
Haja paz e harmonia.

João Pessoa, Paraíba, Brasil

Fones: (83) 3243-6724 (83) 8862-8587 Site:
E-mail: literaturadecordel@bol.com.br
FONTE http://literaturadecordel.vila.bol.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário