CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

segunda-feira, 15 de março de 2010

POR JUSTIÇA SOCIAL



Caros amigos a vida
É cheia de diferenças
Tanto pobre e pouco rico
Tornando a vida mais tensa
Luto pela igualdade
Essa é a minha crença.

Creio num mundo feliz
Bem bonito de se vê
Quem sabe não é o verso
"Viage a São Saruê"
Ali caberá a todos
Eles, vós, nós e você.

Sou Manoel Belizario
Junte-se a mim meu amigo
Lutemos contra a maldade
O que traduzir perigo
Para a nossa humanidade
Levemos a igualdade
Pra tudo o que for abrigo.

Comecemos pois agora
Para a luta acirrar
O primeiro passo é
A gente se empenhar
Em frequentar a escola
Vamos vem vamos embora
Para a vida melhorar.

Autor: Manoel Messias Belizario Neto



Um comentário:

  1. Amigo, os seus cordéis estão ARRETADOS e publicados em um monte de sites. Parabéns, sucesso!

    ResponderExcluir