CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Aluno de Buriticupu lança livro de literatura de cordel - MA

literatura-de-cordel-foto

Na trilha de nomes de grande expressão da literatura de cordel, como Patativa do Assaré, Mestre Azulão, Cego Aderaldo e Jessier Quirino, foi que o estudantes do curso superior de Biologia, do Campus Buriticupu, Isaías Neres Aguiar, publicou na semana passada, o livro de literatura de cordel intitulado 'O temido sargento Furrupa e o valentão Fogoió'.

A publicação conta, em ritmo descontraído, com bom humor e linguagem popular as aventuras e desventuras de dois lendários personagens da recente história do município de Buriticupu.

Ambientado na década de 70 em um simples povoamento rural do Maranhão e com a ditadura militar sendo o pano de fundo dos fatos, foi nesse clima propício que o Sargento Furrupa colocou em prática todas as bizarrices que se tem registro por essas bandas, como se pode notar nas encomendas de morte de colonos, prisões, torturas físicas e psicológicas, espancamentos e, até mesmo, execuções sumárias.

Em meio ao universo de colonos ávidos por justiça social surge o valentão Fogoió que desafia, com muita audácia e uma peixeira na cintura, toda estrutura da segurança pública da colônia de Buriticupu, sobretudo põe em questão o até então poder absoluto do Delegado Furrupa.

O lançamento movimentou a rotina da Praça da Cultura em Buriticupu, que contou com a presença de inúmeros estudantes da rede pública e privada do município, além de professores, autoridades políticas locais, populares e colonos que testemunharam os fatos registrados nessa obra, como o senhor Moisés Medrado. Houve apresentação da Banda da cidade.

"O desfecho da estória entre o poderoso sargento e o anti-herói popular só será revelado através da leitura integral da obra, mas nós deixamos o aperitivo para que todos leiam essa significativa manifestação da cultura popular maranhense", acrescentou o professor Joildo Oliveira.

Sobre a literatura de cordel

Literatura de cordel é um gênero literário popular escrito quase sempre na forma rimada, originado em relatos orais e depois impresso em folhetos. Remonta ao século XVI, quando o Renascimento popularizou a impressão de relatos orais, e mantém-se uma forma literária popular no Brasil. O nome tem origem na forma como tradicionalmente os folhetos eram expostos para venda, pendurados em cordas, cordéis ou barbantes.

Fonte: www.ifma.edu.br

Um comentário:

  1. Quero parabenizar o meu amigo Isaias, que escreveu esse cordel com tanta desenvoltura. Narrando esse fato com rimas e com com riquezas de detalhes. Essa história é nossa! Só teve o Fofoió para impor medo no Sargentão autoritário chamado de Furrupa.

    ResponderExcluir