CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Lançamento de cordel do poeta Roniere Soares: história real vira literatura

image Cordelista escreve seu nono trabalho sobre a morte coletiva de 13 vacas leiteiras que ocorreu no Município de Boa Vista, no início deste mês. O autor, Roniere Leite Soares, é genro do proprietário Oton Gomes de Lacerda (Tota) e seus pais moram em Boa Vista-PB. A apresentação do folheto é feita pelo poeta Marco di Aurélio, pernambucano radicado em João Pessoa-PB. O folheto de cordel ainda não tem data para lançamento, pois depende dos trâmites da gráfica na qual será reproduzida em série, possivelmente até o final deste mês de fevereiro. Será composto por 8 páginas de texto e 8 páginas de xilogravuras que representarão o ambiente e o enredo do ambiente rural no qual ocorreu a morte das vacas. São 24 sextilhas, capa branca.

Prefácio:

Neste cordel recheado de sentido e sob a mais perfeita descrição, Roniere Leite Soares nos apresenta uma página sofrida de nossa história contemporânea. A lida de nossos irmãos que cuidam do gado, frente à inocência e o desconhecimento no uso dos inúmeros venenos que contaminam nossas vidas. Um fato verídico que pode e deve nos servir de alerta quanto ao uso indevido dos pesticidas.

Poeta Marco di Aurélio

Fonte: Roniere Leite Soares por email

Nenhum comentário:

Postar um comentário