CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sábado, 14 de agosto de 2010

MEU SERTÃO SERTANEJO

E aí cabras da peste,
Twiteiros de valor,
Vocês conhecem o sertão?
Vcs conhecem o sabor,
De um pôr-de-sol sertanejo
Da caatinga sem flor?

Vcs já viram as veredas
Q atravessam o sertão?
Parecem mais as artérias
Q enlaçam meu coração
Pisadas pela saudade.
Um gado sem compaixão...

Quem não conhece o sertão
Não sabe o q está perdendo.
É ele a inspiração
Deste q está escrevendo.
Moro nesta capital
Mas é lá q estou vivendo.

Na terrinha sertaneja
Nós somos fauna e flora.
O humano se confunde
Com o florescer da aurora.
Ser bucólico e sereno
É a relva q vigora.

Manoel Messias Belizario Neto

(ontem  no twitter, siga @cordelparaiba)

Imagem: http://lh5.ggpht.com/vantaspaint/R87FfcWBIWI/AAAAAAAAAuM/x5c2ufODfcw/s400/caatinga%25201%5B1%5D.jpg

Um comentário:

  1. Queremos parabenizar pelo site e aproveitar para convidar você a visitar nosso blog www.cordelirando.blogspot.com onde você poderá ler o mais recente cordel intitulado VISÃO DO "STF" SOBRE A LEI FICHA LIMPA.
    Um forte abraço!

    ResponderExcluir