CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sexta-feira, 2 de abril de 2010

POETA DE CORDEL JOSÉ CAMELO DE MELO RESENDE - BIOGRAFIA

José Camelo de Melo Resende Nasceu em 20 de abril em de 1885, Pilõezinhos, Na época distrito de Guarabira (PB). Vai à escola e, jovem, parece aspirar a grandes Voos, Mas como precárias Condições de Meio frustram Seu SEUS sonhos, fazendo-o marceneiro e carpinteiro simples.
A poesia torna-se, então, Válvula de escape SUA inteligência extraordinária para e Imaginação. Começa um escrever folhetos anos sem Início dos 1920, versejando NUMA Língua Perfeita ", COM Precisão métrica da rima e da Que distingué o da maioria dos poetas populares. Ao mesmo tempo, faz-se cantador, compensando Pouco Seu talento parágrafo com improvisar Uma astúcia: decora romances Mesmo Que Ele compõe, criando tramas OU adaptando-as das Histórias Que correm de boca em boca.

Pavão misterioso

Nenhum dos anos FIM 1920, mete-se em complicações e foge parágrafo Rio Grande do Norte, Onde se esconde Por uns tempos. É nessa época Que João Melquíades Ferreira da Silva publica na Paraíba, nome Seu los, o romance Pavão misterioso, obra criada Por José Camelo. Este denuncia o golpe, Mas o romance continuaria a-ser do atribuído um João Melquíades (NE: Até hoje se discute uma Verdadeira Autoria Desse romance).
Seja como for, uma história de Pavão misterioso torna-se UM dos Maiores sucessos da literatura de cordel, Sendo reeditada inúmeras Vezes, Além de Inspirar Peças de teatro, canção, novela de Televisão e Filme de Animação.
Outros romances de José Camelo repercussão ENORME dez Também como, como Grandes Aventuras de Armando e Rosa conhecidos Por Coco Verde e Melancia; Entre o amor eA espada, História de Joãozinho e Mariquinha, O monstro do Rio Negro e Pedrinho e Julinha, editados Todos Por João Martins de Ataíde, no Recife, e reeditados Por José Bernardo da Silva e SEUS Herdeiros, em Juazeiro do Norte.
N º da Vida fim, porém, Quase octogenário, o poeta se Deixa Ganhar Pela frustração e amargura, Destruindo - Segundo seus contemporâneos - UMAs Cinqüenta obras de SUA Autoria. Morre em Rio Tinto (PB), em 28 de outubro de 1964, passando a posteridade Como UM DOS Maiores autores da literatura de cordel brasileira.


Nenhum comentário:

Postar um comentário