CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Poeta Rogério Fernandes ministra oficina sobre Literatura de Cordel

Escritor Rogério Fernandes, ao centro, com alunos do 4º ano do curso de Pedagogia da Uems durante oficina. (Foto: Divulgação)
 
Escritor Rogério Fernandes, ao centro, com alunos do 4º ano do curso de Pedagogia da Uems durante oficina. (Foto: Divulgação)
          O escritor e poeta Rogério Fernandes, realizou na última semana, na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems), oficina sobre Literatura de Cordel, para alunos do 4º ano do curso de Pedagogia. O convite foi feito pela professora da área na Universidade, Thaize Oliveira.
          De acordo com o escritor, a oficina teve o intuito de, além de divulgar a Literatura de Cordel como forma de expressão cultural popular, possibilitar novas estratégias e abordagens para a Educação Infantil e do Ensino Fundamental.
           De uma forma descontraída, Rogério Fernandes falou sobre a história do Cordel e sua chegada ao Brasil, principalmente na região Nordeste. O escritor trabalhou a metrificação dos versos, a rima e a oração. Citou as palavras do poeta Abraão Batista, ao dizer que, para se escrever um bom cordel é necessário, antes de tudo, “ter cara de povo, ter cheiro de povo e ter fala de povo”. Segundo Rogério, o cordelista deve escolher um lugar, um tempo, os personagens, uma trama ou uma intriga e, finalmente, colocar tudo isso em versos divididos, obrigatoriamente, em sete sílabas cada um.
          No final da oficina, as acadêmicas puderam escrever seus próprios versos, sob a orientação de Rogério Fernandes e receberam dois folhetos publicados pelo cordelista: “Cidade Crepúsculo” e “Educação Patrimonial e Cultural de Dourados”.
            Rogério Fernandes é um dos fundadores da Associação dos Cordelistas de Mato Grosso do Sul, no qual integram também as cordelistas Aurineide Alencar, Odila Lange e Leonir Menegati, e ministra oficinas de cordel em escolas públicas e particulares de Dourados. As pessoas podem entrar em contato com o cordelista através do e-mail: rogeriociso@gmail.com ou pelo telefone (67) 9939-4746.

Fonte: http://www.progresso.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário