CORDEL PARAÍBA

**

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não pertence a coronel./É propriedade do povo:/rico, pobre, velho, novo/deliciam-se deste mel./Rico, pobre, velho, novo/Deliciam-se neste mel.

(Manoel Belisario)



segunda-feira, 14 de junho de 2010

COLÉGIO BERNARDINO BENTO

 

 

 

 

 

 

Primeiro peço desculpas
Acaso eu venha esquecer
De algum educador
Que me ensinara a aprender
No colégio Bernardino
Grande fonte do saber.

 

Neste verso homenageio
Os mestres grandes amantes
Do conhecimento e que
Tornaram interessante
Minha breve adolescência.
Minha vida de estudante.

 

 

No Bernardino cursei
O ensino fundamental
De 5ª a oitava série
Uma fase especial.
Já o meu ensino médio
Cursei no Lídia Cabral.

No Berna estudei com Nida,
Onélio e Maria Barbosa,
Fátima Soares e ainda,
Com  a Maria Pedrosa,
Maria Maia e Erenilda
Que me ensinou o que é ‘prosa’.

Ainda estudei com Tica
Viana e com Françuá.
Com Kilma, Creofe e Bozana
Que costumava falar
“Até tu Brutus”, se alguém
Começasse a bagunçar.
 

 

 

Com Pretinha e com Laurita
E outra Maria: a Duarte.
Estudei com dona ‘G’
Na disciplina de Artes.
Foi nesta escola que li
Sobre o Pedro Malasartes.

Neste tempo era Madrinha
Aglahé  a diretora.
Marinalda era ‘faz tudo’:
Secretária, inspetora.
Ás vezes a gente achava
Que ela era supervisora.

Alguns dos fatos marcantes:
Palestras, apresentações,
Gincanas, cantar o hino
Ante as comemorações.
Parodiando Roberto:
“Foram tantas emoções!”.

Mas uma lembrança forte
Me vem é da ‘delegada’.
Falo de Fátima Soares
Assim ela era chamada
Por nós porque a mulher
Não tinha medo de nada.
 

digitalizar0002

Mas o nome ‘delegada’
Foi dado na ocasião
Em que a 8ª série
Trabalhou pra excursão.
Este apelido quem deu
Foi o amigo Gilsão. 

Na turma da excursão
Era uma farra danada:
Armava barraca em festa,
Em carnaval, vaquejada.
Olhe eu não me esqueço nunca
Daquela turma animada.

digitalizar0001

Sem falar na excursão.
A festa maior ainda:
Ficamos mais de três dias
Na cidade de Olinda.
A gente saiu de lá
Até Itamaracá,
Porto de Galinhas, mar,
João Pessoa, capitá.
Meus amigos vou parar
Senão o verso não finda.

OgAAAEpoYUSrhVfcKNcfuTyoQZ2acj0JUepVBzjmsfVARhUKUvT5qJz4W94LxNS8ssOjbwQ1xcTJ-8koxOjQwdA_n88Am1T1UNwau8MZomhzGi-lNRO6Gf360cyP[1]

Autor: Manoel Messias Belizario Neto

Fonte Imagens: Google; Orkuts de Damião Alfredo e Leninha

e acervo pessoal do autor

4 comentários:

  1. ola meu nome e maria de fatima faustino e queria dizer que ja tive a honra de estudar neste belo colegio pois acredito eu que quem passou por ele jamais esquecera dos belos educadores que ai existe beijos e abraço de uma ex aluna

    ResponderExcluir
  2. Adorei os versos Manoel Messias. Nossa!! Por instantes revivi aqueles bons momentos que passamnos no Colégio Bernardino Bento.

    Abraço.

    Ramon Nunes

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. É Zé Ramon, tempos bons que somente a lembrança é capaz de resgatar!

    ResponderExcluir