CORDEL PARAÍBA

**

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não pertence a coronel./É propriedade do povo:/rico, pobre, velho, novo/deliciam-se deste mel./Rico, pobre, velho, novo/Deliciam-se neste mel.

(Manoel Belizario)



quinta-feira, 18 de julho de 2019

Cordelistas da Academia preparam coletânea para lançamento em agosto (João Pessoa)

Da esquerda para a direita: Gilberto Baraúna, Cristine Nobre e Chico Mulungu, poetas participantes da coletânea

Em comemoração aos 100 anos de nascimento de Jackson do Pandeiro e aos quatro anos da fundação da Academia de Cordel do Vale do Paraíba, o núcleo de editoração da entidade prepara coletânea de folhetos de dezoito poetas para lançamento em agosto de 2019. A publicação tem organização de Fábio Mozart, com apresentação de Marconi Araújo e traz dezoito textos poéticos escritos por acadêmicos, versando sobre os mais diversos assuntos, desde a obra de Jackson do Pandeiro à morte de Bob Motta, poeta membro da Academia, ocorrida no ano passado. Um dos poemas homenageia o estudioso do cordel, professor Aderaldo Luciano, escrito por Gilberto Baraúna, de Pilões (PB). Outros trabalhos falam de temas como odontologia, física, combate às endemias, conciliação judicial, literatura popular, feira livre em Itabaiana e outros temas do realismo fantástico do cordel.  

Para o coordenador do projeto, Fábio Mozart, “a maior parte dos cordelistas que participam desta coletânea tem formação acadêmica. Nestes trabalhos, entretanto, resta preservada a linguagem simples e envolvente dos cordéis, mesmo quando trata de assuntos sérios como o tema explorado pela odontóloga Cristine Nobre ou pelo físico Jota Lima. Em outros folhetos da mostra aparece a objetividade ingênua, própria da literatura de cordel, as narrativas acentuadas pela oralidade, a musicalidade como característica marcante deste gênero”.

O Presidente da Academia de Cordel, Marconi Araújo, convocou reunião com os poetas participantes para este sábado, 13, às 14 horas, no Museu de Jurandir Maciel, no centro histórico de João Pessoa, para assinatura do Termo de Anuência e discussão das estratégias de publicação e circulação da obra. “Estamos buscando parcerias com universidades e outros órgãos públicos ligados à cultura para viabilizar a publicação da coletânea, cujo título é “Cordéis acadêmicos”, informou Marconi.

Fonte: Tribuna do Vale

Nenhum comentário:

Postar um comentário