CORDEL PARAÍBA


Publicamos neste espaço/Do poeta renomado/Ao escritor não famoso,

Do doutor ao não letrado./Verso seja rico ou pobre,/Aqui todo mundo é nobre/E seu respeito é sagrado.

Cordelista iniciante/Não fique desanimado/Caso tenha seu poema/Por algum deus desdenhado./Todo e qualquer aprendiz/Tem o direito motriz/De compor verso quebrado.

Bem-vindos, peguem carona/Na cadência do cordel,/Cujo dono conhecemos:/Não é nenhum coronel./O cordel pertence ao povo

/Do velho a sair no novo/Saboreiam deste mel.
(Manoel Belizario)

sexta-feira, 16 de abril de 2010

COMO REERGUER A LITERATURA DE CORDEL II

Por Manoel Messias Belizario Neto

COMO RECONQUISTAR O PÚBLICO LEITOR (O POVO)



AS IMAGENS DAS CAPAS

   É bom colocar na capa
Bonita xilogravura,
Mas se não sabe fazer
Ponha nela uma figura
Bem caprichada senão
Vai-se à rua da amargura.

       Algumas das formas de trazer novamente o povo à leitura e apreciação de cordéis são: a ilustração da capa e a atualização dos temas. O ideal é colocar uma xilogravura na capa. E neste momento atual em que a imagem reina, por que não explorar cores em suas xilogravuras? Mas como xilogravura é algo que poucos têm habilidade de fazer, você pode fazer uma imitação. Mas uma imitação digna. Uma imagem bem trabalhada. Lembre: neste nosso tempo os jovens e a sociedade em geral se deparam diariamente com imagens belíssimas. Trace estratégias para tornar a imagem das capas de seus cordéis também atrativas. A xilogravura tem sua beleza e valor cultural. Mas não devemos esquecer que ela surgiu num momento em que não havia meios acessíveis para a criação de imagens.

Imagem: http://www.irdeb.ba.gov.br/soteropolis/wp-content/uploads/2010/03/severino-borges-lavadeira1.jpg

Nenhum comentário:

Postar um comentário